Coamo investirá mais de R$ 1 bi nos próximos quatro anos

Cooperativa construirá 25 entrepostos no Sul, além de unidades no MS

Da Redação

redacao@amanha.com.br

José Aroldo Gallassini, diretor-presidente da Coamo

A Coamo Agroindustrial Cooperativa, de Campo Mourão (PR), aprovou em assembleia na quarta-feira (23) que investirá mais de R$ 1 bilhão nos próximos quatro anos. A maior parte do recurso será aplicado na construção de duas unidades industriais no Mato Grosso do Sul. Cerca de R$ 154 milhões serão usados na modernização de infraestrutura no Porto de Paranaguá. Além disso, serão construídos 25 entrepostos no Paraná, em Santa Catarina e no Rio Grande do Sul. A Coamo também renovará sua frota com 240 caminhões, máquinas e outros veículos.

O investimento fará com que a maior cooperativa da América Latina cresça 20% ao ano no período. "Pedimos autorização para investir em uma época de crise, mas como são quatro anos para aplicação de recursos e até 15 anos para pagar, com três anos de carência dependendo da linha de crédito, não teremos problemas”, afirma José Aroldo Gallassini (foto), diretor-presidente da Coamo. 

A Coamo pretende construir uma unidade industrial de processamento de soja, com capacidade para 3 mil toneladas ao dia, e uma refinaria de óleo de soja com capacidade para 720 toneladas ao dia, em Dourados (MS). A escolha do local também se deve ao fato de Campo Mourão e Paranaguá já possuírem duas unidades industriais que atendem o Estado. O aporte total está estimado em R$ 534 milhões. Serão criados 240 postos de trabalho nas indústrias e outros 180 nos entrepostos da região Sul, além dos temporários para safra. Também existe a possibilidade de elevar a renda do cooperado e de aumentar a participação nos mercados nacional e internacional.


leia também

A China rural não existe mais - A mudança do modelo de crescimento econômico continuará elevando as demandas do país mais populoso do mundo

A transformação digital da agricultura - Tecnologia pode melhorar rendimento de produtores

A vida de uma organização exemplar - Como a Coamo virou um modelo de cooperativismo a ser seguido

Alimentando o mundo em desenvolvimento - Uma nova Revolução Verde dará conta da demanda?

Atuação em rede que produz melhores resultados - Para Luiz Vicente Suzin, presidente da Ocesc, a intercooperação dá independência ao sistema cooperativista

Coamo atinge faturamento de R$ 11,4 bilhões em 2016 - As sobras destinadas aos cooperados totalizam R$ 338,2 milhões

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: