Mercado tem dia de euforia com noticiário político

Dólar teve trajetória de queda enquanto bolsa acumulou alta de 6,6%

Por Agência Brasil

Dólar abre em queda e bolsa inicia operações em alta

O mercado viveu uma quinta-feira de euforia em meio à turbulência no cenário político, provocada pela divulgação de escutas telefônicas com conversas entre Lula e a presidente Dilma Rousseff. As apostas do mercado dão conta que a probabilidade de o impeachment ocorrer mais brevemente aumentou. Para a MCM Consultores, por exemplo, a decisão pode ocorrer dentro de um mês. A suspensão da posse do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como ministro da Casa Civil também foi um fator positivo para os agentes financeiros. O Ibovespa encerrou o dia em alta de 6,6%, aos 50.914 pontos. O giro da bolsa ficou em R$ 11,2 bilhões.

Entre as ações mais negociadas, o destaque ficou com os papéis do Banco do Brasil ON, que subiram 14,3%. As ações da CSN ON (+18,1%), Bradesco PN (+13%), Bradesco ON (+12%) e Petrobras PN (+12%) seguiram o mesmo caminho. As companhias ligadas ao segmento exportador, no entanto, tiveram queda. O motivo é a apreciação do real em relação ao dólar. Hoje, a cotação da moeda norte-americana caiu 2,3%. Os papéis da Suzano Papel e Celulose PNA caíram 4,4%, Fibria ON teve baixa de 3,9%, seguidas por Embraer ON (-3,1%) e Klabin (-0,5%).


leia também

Dilma diz que sofreu segundo golpe de Estado na vida - Ex-presidente afirmou que recorrerá contra o que chamou de “fraude”

A China fez o que o mercado queria - Corte de juros era algo esperado, mas ainda não é suficiente para ajudar na recuperação econômica, afirmam especialistas

A governança precisa ser mais que corporativa - O país deve debater para evitar que o governo destrua o valor de empresas

A prosperidade de psicanalistas e criminalistas - Os desdobramentos das operações em curso vão escancarar certos porões onde só rara vez entrou a luz solar

A punição virá das gôndolas? - A tentativa de boicote às marcas do Grupo J&F

A responsabilidade do Congresso - O cuidado com os recursos públicos e o respeito à restrição orçamentária deveriam ser valores da casa, opina Zeina Latif

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: