Intenção de consumo das famílias cai em março

A maior retração ocorreu na região Sul, com queda de 4,2%

Por Agência Brasil

Intenção de consumo das famílias cai em março

As famílias brasileiras pretendem consumir menos neste mês de março, revelou pesquisa da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). A Intenção de Consumo das Famílias (ICF) registrou queda de 1,6% em março, na comparação com fevereiro, ficando em 77,5 pontos, em uma escala de 0 a 200. O índice permanece menor que 100 pontos, ou seja, abaixo do nível de indiferença. Esse é o primeiro recuo de intenção de consumo em 2016.

Na base de comparação mensal, os dados regionais revelaram que a maior retração da intenção de consumo ocorreu na região Sul, com queda de 4,2%. Já a região Nordeste foi a que apresentou a avaliação menos desfavorável, com queda de 0,6%. Na comparação anual, o recuo foi maior na região Sudeste, com queda de 32,9%. Já a região Centro-Oeste teve a menor variação anual, com queda de 21,6%.

A queda mensal do índice foi influenciada principalmente pelos componentes relacionados ao consumo – Nível de Consumo Atual e Perspectiva de Consumo – que registraram queda de 4,4% e 2,3%%, respectivamente. A CNC também trabalha com os índices Emprego Atual, Perspectiva Profissional, Renda Atual, Compra a Prazo e Momento para Duráveis. Todos registraram queda nas comparações mensal e anual.

“Em janeiro e fevereiro tivemos um pequeno aumento, mas a tendência é de queda”, disse a assessora econômica da CNC, Juliana Serapio. Na comparação anual, com março de 2015, o recuo foi de 29,9%. 

Para Juliana, o pior componente, “há muito tempo”, é o item Momento para Duráveis. “São itens de compra mais dependente de maior renda e que possuem taxas maiores de juros”, explicou. O item apresentou queda de 2,2% na comparação mensal. Em relação ao mesmo período de 2015, o componente recuou 46,2%. Segundo a CNC, a maior parte das famílias, 72,1%, considera o momento atual desfavorável para a aquisição de duráveis. A previsão da confederação é que o volume de vendas do varejo apresente retração de 4,2% em 2016.

A CNC destaca ainda que o indicador Nível de Consumo Atual atingiu o menor valor da série, iniciada em 2010, de 53,3 pontos. A maior parte das famílias, 59,2%, declarou estar com o nível de consumo menor que o do ano passado. 


leia também

A era dos carros sem “charme” - Será esta a característica dos veículos elétricos e dos autodirigidos?

A sua marca vai sobreviver aos Millennials? - Unilever e JP Morgan contam o desafio de lidar com jovens consumidores

A superfície e as profundezas da economia - Retomada poderá ser difícil dada a situação financeira empresarial

As regras do luxo que prometem transformar metal em ouro - Em seu novo livro, Susana Campuzano propõe um modelo de construção de marcas, produtos e serviços de primeira classe

Atendimento soviético - Já cansei de sugerir à tripulação: desburocratizem e vendam mais. O que ouço é um deboche: ordens são ordens

BC: crescimento da inadimplência é gradual - Uso do crédito rotativo, cujas taxas de juros tem subido, deve ser evitado

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: