Ibovespa abre semana em queda com cena política

Possível indicação de Lula para ministério desagradou os investidores

Da Redação

redacao@amanha.com.br

Ibovespa recua em compasso de espera dos desdobramentos políticos

O mercado financeiro brasileiro abre a semana em compasso de espera, mas acumulou queda ao longo desta segunda-feira (14). Os agentes aguardam desdobramentos da cena política principalmente depois das manifestações do final de semana  (leia mais detalhes aqui). Os investidores estão preocupados em saber se o processo de impeachment pode ser acelerado e qual será o posicionamento da presidência da República nos próximos dias. Na próxima quarta-feira (16), o STF também deve anunciar sua decisão sobre o rito do impeachment. 

A bolsa teve trajetória de queda ao longo do dia e intensificou o sinal no meio da tarde. Investidores analisam a notícia de que a presidente Dilma Rousseff nomeará Lula para o seu ministério. O fato desagradou os investidores que desejam uma ruptura do atual governo por acreditarem que pode trazer novo fôlego à economia. Isso fez com que o Ibovespa acumulasse queda de 1,5% aos 48.867 pontos. 

Entre as ações com as maiores altas estão Braskem PNA (5,9%) e Fibria ON (5,2%). Na ponta oposta, Petrobras PN caía 7,5% e Rumo Logística tinha baixa de 6,1%. O mercado internacional teve um dia onde a variação no preço das commodities mexeu com a bolsa. O preço do minério de ferro caiu 2,7% na China, negociado a US$ 55,55 a tonelada. Já o petróleo registrava baixa.

Após quatro pregões consecutivos de queda, o dólar fechou em alta frente ao real, reagindo ao movimento de maior aversão a risco no exterior e também as reações do governo após as manifestações de 13 de março. O dólar comercial subiu 1,7% e fechou a R$ 3,6509. 



leia também

Dilma diz que sofreu segundo golpe de Estado na vida - Ex-presidente afirmou que recorrerá contra o que chamou de “fraude”

A China fez o que o mercado queria - Corte de juros era algo esperado, mas ainda não é suficiente para ajudar na recuperação econômica, afirmam especialistas

A crise no terceiro parceiro comercial do Sul - Casa Rosada anuncia pacote econômico. Indústria brasileira começa a evitar vendas a prazo na Argentina

A estabilidade do funcionalismo público é mesmo necessária? - O tema é particularmente importante no contexto de ajuste fiscal, avalia Zeina Latif

A punição virá das gôndolas? - A tentativa de boicote às marcas do Grupo J&F

A responsabilidade do Congresso - O cuidado com os recursos públicos e o respeito à restrição orçamentária deveriam ser valores da casa, opina Zeina Latif

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: