Brasil entra na rota de pesquisa do grafeno

Mineral poderá ser aplicado em produtos como smartphones

Por Agência Brasil

Grafeno poderá dar flexibilidade aos celulares

O Brasil passou a fazer parte do pequeno grupo de países que busca novas aplicações industriais para criar ou aperfeiçoar manufaturados, a partir de um recurso mineral descoberto há quase uma década: o grafeno. O mineral é uma espécie de lâmina do grafite, um cristal atômico bidimensional constituído de átomos de carbono em formato hexagonal, que foi isolado, pela primeira vez, em 2004, pelos russos Andre Geim e Konstantin Novoselov, ganhadores do prêmio Nobel de Física em 2010.

Os estudos ganharam destaque na semana passada com a inauguração do Centro de Pesquisas Avançadas em Grafeno, Nanomateriais e Nanotecnologias, o primeiro do gênero na América Latina. Instalada no campus Higienópolis da Universidade Presbiteriana Mackenzie, em São Paulo, a estrutura física ocupa 4 mil metros quadrados, distribuídos em um prédio de sete andares e mais dois pisos no subsolo, somando investimento de R$ 100 milhões.

Segundo o físico Christiano Matos, os trabalhos serão feitos por uma equipe de 130 pessoas e por meio de parcerias com a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientifico e Tecnológico. Haverá participação também de cientistas chineses. Matos informou que existem várias empresas, principalmente dos setores de telecomunicações e de energia, interessadas nos resultados que podem ser alcançados. “Nossa esperança é que não se perca essa oportunidade de buscar conhecimentos em benefício da sociedade”, projeta Matos.

O físico elenca três pontos das pesquisas: a fotônica – tecnologia do uso da luz, principalmente fibras óticas; da energia (armazenamento da energia em baterias e supercapacitores, na obtenção de celulares mais leves e compactos); e materiais como polímeros mais eficientes. Apontado como um excelente condutor de energia e extremamente resistente, o grafeno poderá ser aplicado em produtos como plástico ou látex, televisão e smartphone, com displays flexíveis (como na foto) entre outros. Poderão ser criados aplicativos nos segmentos automotivo, aeronáutico e esportivo.

Segundo a Universidade Mackenzie, existem projeções de que essa tecnologia possa ser aplicada em um mercado de algo em torno de US$ 1 trilhão nos próximos dez anos. Entre os países que usam as propriedades do grafeno estão a China, onde foram registradas 2.204 patentes; os Estados Unidos, com 1.754, e a Coreia do Sul, com 1.160.

Dados da universidade mostram que a produção mundial de grafeno natural em 2013 foi 1,1 milhão de toneladas. A maior parte (70,4%) refere-se à produção na China, seguida pela Índia, Coreia do Norte e do Brasil e Canadá. Há o registro de produção em quantidade menor na Rússia, Turquia, Noruega, na Romênia e Ucrânia, em Madagascar, no México e Sri Lanka.

O Brasil ocupa a terceira posição no ranking mundial e as reservas minerais estão localizadas em Minas Gerais, no Ceará e na Bahia. O total do minério beneficiado, em 2013, alcançou 91.908 toneladas de minério.


leia também

América Latina: o pote de ouro da YellowPepper - A start-up do setor móvel pretende ganhar milhões de clientes na região

Aplicativo da Anatel registra problemas com celulares - Usuário relatará falhas da operadora contratada por ele

Celular se consolida como meio de acesso à internet - E-commerce foi a finalidade que mais cresceu entre 2015 e 2016

Cliente pode bloquear celular roubado com número da linha - Basta registrar um boletim de ocorrência em uma delegacia

Fórum de TI do Banrisul segue com inscrições abertas - Evento debaterá o futuro da sociedade digital

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: