Grupo RBS vende operações de mídia em Santa Catarina

Os empresários Lírio Parisotto e Carlos Sanchez são os novos acionistas

Da Redação

redacao@amanha.com.br

Grupo RBS anuncia venda de operações de mídia em Santa Catarina

Foi anunciado nesta segunda-feira (7) acordo entre os acionistas da RBS e os empresários Lírio Parisotto e Carlos Sanchez, do Grupo NC, juntamente com outros investidores, para a compra das operações de televisão, rádio e jornal que atuam sob a marca RBS em Santa Catarina. A conclusão do negócio está sujeita à condição suspensiva de aprovação prévia do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e dos demais órgãos regulatórios do setor, bem como ao cumprimento de determinadas condições precedentes usuais para estes tipos de transações. O mercado estima que o valor do negócio possa chegar até R$ 1 bilhão. O grupo deixará o Estado depois de 37 anos de atuação. 

A aquisição parte de uma associação dos empresários para o desenvolvimento de negócios de mídia no Estado de Santa Catarina. Lírio Parisotto atua na área de mídia por meio de sua empresa Videolar e no setor de petroquímica a partir da Innova. Carlos Sanchez amplia o processo de diversificação de seus negócios, a partir do Grupo NC, um dos maiores conglomerados econômicos do país. Durante reunião com funcionários, na sede da empresa, em Florianópolis, foi anunciado que o atual diretor-geral de Televisão em Santa Catarina, Mário Neves, será o presidente da empresa. 

“Os investidores destacaram que a gestão dos negócios seguirá normalmente e a independência editorial será mantida. Ressaltaram, ainda, que a decisão é resultado da crença de ambos no enorme potencial do Estado de Santa Catarina e na indústria da comunicação. Todos os investimentos de comunicação dos empresários serão centrados no Estado”, revela a RBS em comunicado. De acordo com a companhia, o processo de transição será gerido a partir de comitês com o objetivo de garantir a continuidade e a excelência das operações. A sinergia entre as empresas em Santa Catarina será mantida a partir de parcerias operacionais e comerciais. 

“Com o movimento, a RBS foca seus esforços de mídia no Rio Grande do Sul, onde o grupo empresarial foi fundado em 1957, com marcas jornalísticas como Zero Hora, Rádio Gaúcha e RBS TV. Além dos negócios de comunicação, o grupo é proprietário da e.Bricks, empresa de investimento digital com atuação no Brasil e nos Estados Unidos”, completa a nota. 

"Nenhuma grande mudança será feita nestas empresas. Nosso desafio será dar continuidade ao grande trabalho iniciado pela família Sirotsky", promete Lírio Parisotto. Sanchez, por sua vez, destacou o potencial e a capacidade de Santa Catarina. "Estou muito feliz com essa oportunidade que atende ao nosso desejo de diversificar os negócios do Grupo NC e, especialmente, por estar junto com meu amigo Lírio Parisotto, com quem tenho uma relação pessoal, no Estado de Santa Catarina, que vejo como um dos mais promissores do país", sublinhou.

Repercussão
A Standard & Poor's informou que os ratings do Grupo RBS (BB/Negativa/--) não foram imediatamente afetados pelo anúncio de acordo de venda. “Acreditamos que os recursos possam ser utilizados para reforçar o balanço da empresa e, potencialmente, para a aquisição de outras companhias futuramente, o que compensaria as menores escala e diversificação resultantes da venda. Monitoraremos a transação nos próximos meses e atualizaremos nossas projeções tão logo tenhamos uma visão mais clara dos recursos a serem recebidos pelo Grupo RBS e dos usos destes”, relatou a agência de classificação de risco na noite desta segunda. 


leia também

A RBS desenha seu caminho - O grupo de comunicação, na prática, divide-se em dois: presente e futuro

Agência Fitch rebaixa rating do Brasil - País tem grau de investimento, mas com perspectiva negativa

Antônio Tigre deixa RBS após 25 anos - Claudio Toigo Filho assumirá a Televisão

Aposentadoria preocupa o maior gestor do mundo - Robert Kapito sugere que se comece a investir o quanto antes

As empresas brasileiras que podem virar “anjos caídos” - S&P revela quais companhias correm o risco de perder grau de investimento

Austin altera perspectiva do rating do Brasil - Agência considera o processo de concessões como positivo

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: