Brasil Foods, a queridinha dos fundos de investimento

Empresa catarinense atrai 75% do total aportado no setor de alimentos

Por Agência Brasil

Sadia, marca da BRF vendida em supermercado

Um levantamento realizado pela Economática mostra que 684 fundos de 176 gestoras alocam seus recursos em ativos de empresas do setor de alimentos. São ao todo R$ 6,4 bilhões divididos em empresas como Brasil Foods, JBS, Marfrig, Minerva, Minupar, LAEP, M. Dias Branco, Cosan, São Martinho e Tereos. O relatório é baseado em todos os tipos de instrumentos que essas empresas têm no mercado, ou seja, posição em ações (long, empréstimo tomado e doado), opções (compra e venda), termo, investimentos no exterior, entre outros. A análise mostrou que o setor não tem debêntures na indústria de fundos.

A empresa que os fundos mais investem é a catarinense Brasil Foods. O valor aportado é de R$ 4,8 bilhões – nada menos que 75% do total. O Bradesco Asset Management (BRAM), que é também a maior gestora com alocação no setor de alimentos, tem R$ 873,7 alocados na empresa. O Itaú Unibanco também possui uma participação importante no setor. Além de destinar R$ 113,7 milhões para a BRF, também investe em 25 instrumentos diferentes.

A segunda empresa com maior alocação de recursos é a JBS, com R$ 934,3 milhões, sendo R$ 126,5 milhões em ativos comprados pelo Itaú Unibanco.


leia também

Agora quem não quer sou eu - E quando a empresa pisa na bola e compromete a imagem da celebridade que a endossa?

Alexandre Almeida comandará a BRF no Brasil - Companhia catarinense também anunciou outras mudanças

Brasil Foods cria subsidiária para mercados muçulmanos - A Sadia Halal poderá atuar em países ainda não atendidos pela empresa

Brasil Foods investe US$ 16 milhões na Malásia - Companhia quer expandir presença no sudeste asiático

Brasil pode perder até R$ 2 bi por escândalo da carne - AEB leva em conta a redução de preços e a perda de mercado

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: