BRF tem lucro líquido de R$ 3,1 bilhões em 2015

Valor das vendas aumentou no Brasil e no Oriente Médio, principais mercados da empresa

Da Redação

redacao@amanha.com.br

BRF Abu Dhabi

A BRF superou o instável ambiente econômico de 2015 quase sem nenhum arranhão. A segunda maior empresa da região Sul, conforme ranking GRANDES & LÍDERES elaborado por AMANHÃ e PwC, teve o expressivo crescimento de 46% no lucro líquido no ano passado, totalizando um ganho de R$ 3,118 bilhões. O Ebitda também cresceu no ano (22%),  fechando em R$ 5,738 bilhões.

Apesar das vendas terem sido em menor volume na comparação com o ano interior, a receita operacional líquida foi de R$ 32,197 bilhões, uma alta de 11% contra 2014. Somente no Brasil, que representa metade do faturamento da empresa, entre janeiro e dezembro a companhia registrou R$ 16 bilhões em vendas, 4% superior ao ano anterior. Para alcançar este resultado, a BRF ressalta o avanço das vendas de produtos de maior valor agregado (processados), que saltou 7,4% em 2015, totalizando R$ 12,2 bilhões. O retorno da marca Perdigão, segundo a companhia, contribuiu com o desempenho. 

Outro mercado no qual a BRF registrou aumento no valor de vendas foi no Oriente Médio e África (26%), fato que levou a companhia a antecipar o projeto de expansão da capacidade produtiva da fábrica de Abu Dhabi (foto), nos Emirados Árabes Unidos, passando de 70 para 100 mil toneladas/ano. Além de atender a crescente demanda local, o incremento considera potenciais novos clientes na África do Norte, África Subsaariana e Ásia. 

A estratégia de expansão internacional teve passos importantes em 2015. Na Argentina, a BRF adquiriu marcas de salsichas para melhorar o mix de produtos, além de fechar um acordo de aquisição da Campo Austral, o que marca a entrada da companhia no mercado de carne suína argentino. A BRF também acertou a compra da tailandesa Golden Foods Siam, exportadora de derivados de frango, para fortalecer a presença no continente asiático e garantir acesso à Europa, onde também fez a aquisição da distribuidora britânica de alimentos Universal Meats.

Mantendo a estratégia de aprimorar a produtividade e reduzir custos aplicada pelo ex-presidente Abílio Diniz, Pedro Faria, que assumiu o cargo no final de 2014, salientou a execução de projetos de eficiência fabril e energética, automação e suporte, nos quais foram investidos mais de R$ 2 bilhões.  “Mantivemos o propósito de aumentar o nível de eficiência das nossas unidades produtivas, fazendo da BRF uma empresa cada vez mais simples e ágil”, afirma Pedro Faria, CEO Global da BRF. 



leia também

Agora quem não quer sou eu - E quando a empresa pisa na bola e compromete a imagem da celebridade que a endossa?

Alexandre Almeida comandará a BRF no Brasil - Companhia catarinense também anunciou outras mudanças

Aos 60 anos, Lojas Lebes chega à Santa Catarina - Rede de varejo aposta em estratégia cautelosa para crescer

As cidades com melhor (e o pior) saneamento no Sul - Municípios do Paraná, como Londrina, destacam-se no investimento e tratamento de água e esgoto na região

Banrisul lucra R$ 339,9 milhões no semestre - Provisões para recuperações judiciais diminuíram o resultado do banco

Brasil Foods cria subsidiária para mercados muçulmanos - A Sadia Halal poderá atuar em países ainda não atendidos pela empresa

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: