Percentual de indústrias que investirão cai para 64%

É o menor índice da série histórica, iniciada em 2010

Por Agência Brasil

Percentual de grandes indústrias que investirão cai para 64%

A crise econômica afetou os investimentos em 2015 e as perspectivas para 2016. Segundo pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI), feita com 860 grandes empresas (com 250 ou mais empregados), 64% das companhias pesquisadas pretendem investir este ano, o menor percentual da série histórica, iniciada em 2010. Em 2015, 74% das empresas investiram. O levantamento foi divulgado nesta quinta-feira (18).

Entre as que planejam investir, 67% pretendem tocar projetos já em andamento e 33% devem iniciar novos empreendimentos, o menor percentual da série. De acordo com o estudo, 46% vão apostar na melhoria ou na introdução de novos processos e 18% em desenvolvimento de produtos. A pesquisa também revela que o número de empresas cujo foco principal é o mercado interno caiu de 68% em 2015 para 62%, este ano.

De acordo com as empresas que não pretendem investir, a principal razão é a incerteza econômica (92%). A ociosidade elevada (ou a reavaliação de demanda) foi o segundo item mais apontado (65%). Em terceiro lugar, ficou o custo do crédito, com 41% das respostas.

Em 2015, entre as empresas que investiram, 67% destinaram os recursos para a continuação de projetos anteriores. Entre as empresas, 86% compraram máquinas e equipamentos. Dessas, 55% adquiriram máquinas e equipamentos nacionais e 23%, principalmente ou exclusivamente importados. A pesquisa foi feita entre 9 de novembro e 14 de dezembro do ano passado.


leia também

Dilma diz que sofreu segundo golpe de Estado na vida - Ex-presidente afirmou que recorrerá contra o que chamou de “fraude”

A balança da produção está mudando – de novo - Karen Reddington, CEO da FedEx Ásia Pacífico, avalia mapa global da indústria

A China fez o que o mercado queria - Corte de juros era algo esperado, mas ainda não é suficiente para ajudar na recuperação econômica, afirmam especialistas

A crise invejável da Liderança Serviços - Crescimento da empresa será de “apenas” 8% neste ano

A estabilidade do funcionalismo público é mesmo necessária? - O tema é particularmente importante no contexto de ajuste fiscal, avalia Zeina Latif

A punição virá das gôndolas? - A tentativa de boicote às marcas do Grupo J&F

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: