Após carnaval, BM&FBovespa fecha em queda

O discurso de Janet Yellen influenciou o mercado

Da Redação, com Agência Brasil

redacao@amanha.com.br

Após carnaval, BM&FBovespa volta a operar em queda

As bolsas em todo o mundo operaram influenciadas pela dúvida dos investidores sobre a saúde das instituições financeiras, principalmente as europeias, e pela oscilação do preço do barril do petróleo. Depois de operar em queda na terça-feira (9), a Eurostoxx 50, o índice que representa as principais empresas da zona do euro, registrava valorização de 2,5%, às 13h (horário de Brasília) desta quarta-feira (10), recuperando as perdas das últimas sessões. Ao final do pregão na Europa, no entanto, as bolsas fecharam em alta, impulsionadas principalmente pela recuperação das ações de bancos. O índice pan-europeu Stoxx 600, por exemplo, subiu 1,8% e fechou aos 315,1 pontos. 

O discurso da presidente do banco central norte-americano (Federal Reserve), Janet Yellen, influenciou o mercado. Ela pediu prudência em relação à evolução da economia mundial e fez a previsão de um crescimento moderado da economia, com uma subida gradual das taxas de juro nos Estados Unidos. Yellen manifestou preocupação com o impacto no baixo crescimento da economia mundial. Assim, o Ibovespa fechou o dia em queda de 0,5% a 40.376 pontos, com um volume financeiro de R$ 3,2 bilhões.

No Japão, o principal índice da bolsa de Tóquio, o Nikkei, fechou em queda de 2,3%. A bolsa japonesa, porém, foi afetada pela queda, na véspera, das bolsas pelo mundo. Na China, o mercado financeiro permanece fechado nesta semana devido ao Ano Novo Lunar. O preço do barril de petróleo Brent, outro fator que impacta as bolsas abriu em alta no mercado de futuros de Londres, a US$ 30,89, com elevação de 1,8% em comparação à sessão anterior. 

Depois de abrir em queda, a moeda norte-americana acabou fechando em alta frente ao real. Investidores ajustaram as posições após dois dias sem negócios no Brasil, período marcado por uma forte liquidação de ativos no exterior. O dólar comercial fechou o dia subindo 0,6% para R$ 3,9347. 


leia também

Dilma diz que sofreu segundo golpe de Estado na vida - Ex-presidente afirmou que recorrerá contra o que chamou de “fraude”

A China fez o que o mercado queria - Corte de juros era algo esperado, mas ainda não é suficiente para ajudar na recuperação econômica, afirmam especialistas

A estabilidade do funcionalismo público é mesmo necessária? - O tema é particularmente importante no contexto de ajuste fiscal, avalia Zeina Latif

A punição virá das gôndolas? - A tentativa de boicote às marcas do Grupo J&F

A responsabilidade do Congresso - O cuidado com os recursos públicos e o respeito à restrição orçamentária deveriam ser valores da casa, opina Zeina Latif

A superfície e as profundezas da economia - Retomada poderá ser difícil dada a situação financeira empresarial

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: