Seu trabalho é mais que uma obrigação

Se você encara suas tarefas com pesar, coloque novas atitudes em prática

Por Bernt Entschev

Funcionário infeliz no trabalho

Esta é uma história que você já deve ter ouvido ou vivido.  Quem lida com profissionais que atuam em atividades mais operacionais ou funcionários jovens demais, vai entender perfeitamente o assunto de hoje. Infelizmente, é muito comum encontrarmos colaboradores que parecem trabalhar única e exclusivamente para se sustentar. Pessoas assim, normalmente, não possuem muitas aspirações, e encaram seus trabalhos como obrigações chatas que devem ser cumpridas diariamente através de um esforço altamente doloroso. Ora, trabalhar não deve ser um castigo, mas sim um prazer. Podemos observar, inclusive, que as pessoas com alto grau de sucesso em suas organizações fazem o trabalho com gosto e não medem esforços para criar e desenvolver mais e mais habilidades.

Sinto-me incomodado quando observo profissionais desempenhando suas funções de forma pesarosa. Alguns, inclusive, não entendem que ao ser admitido em uma empresa, ficam à disposição dela, tendo que cumprir atividades que, às vezes, não estão previstas. Aliás, esses profissionais têm uma curiosa mania de soltar frasezinhas do tipo “não sou pago para fazer isso”, “se eu tiver de trabalhar até mais tarde hoje, vou querer receber por isso” ou “imagine se vou trabalhar domingo!”. Não quero, com esses exemplos, me ater aos direitos do trabalhador ou discutir questões como horas extras ou qualquer outra coisa do gênero. Tento, na verdade, abrir os olhos dessas pessoas para as oportunidades que eles podem ter nas mãos. 

Se você está em uma empresa desempenhando qualquer função, independente de qual seja, não há porque acreditar que não é possível você crescer ali dentro. Quantos casos conhecemos de office boys que viraram grandes empresários? Esses foram jovens que não pensaram duas vezes em aproveitar cada oportunidade que apareceu. Certamente trabalharam mais do que deveriam, abdicaram de noites de sono e esqueceram seus sábados e domingos em função de seus patrões. 

Infelizmente, alguns desses profissionais não conseguem enxergar as oportunidades que surgem à sua frente e se negam a desempenhar novos papéis. São normalmente pessoas que esperam receber uma bonificação por qualquer atividade que fuja do escopo de suas funções. Quando são solicitadas para um job rotation para cobrir as férias de um colega, por exemplo, não percebem que ali poderão conhecer e desenvolver uma nova habilidade, ampliando suas capacidades e mostrando ao restante da empresa que podem ser multidisciplinares. Conheço inúmeras situações de pessoas que estavam estagnadas em seus cargos há muito tempo e que, após precisarem desempenhar funções diferentes das de costume, descobriram novas aptidões. 

Por isso, se você encara seu trabalho com pesar, coloque novas atitudes em prática. Mude sua forma de agir e encontre um propósito de vida. Ninguém passa por aqui para apenas ser mais um, mas sim para fazer a diferença, nem que seja na vida das pessoas que o rodeiam. 


leia também

"Carnaval à vista" - Embora reconheça a exuberância da festa carioca, é para o eixo Recife-Olinda que se voltam meus afetos

A necessidade de controlar a internet nas empresas - O mau uso pode causar até mesmo demissão por justa causa

A profissão onde o salário pode ser de até R$ 100 mil - Síndicos profissionais administram vários condomínios ao mesmo tempo

A tragédia brasileira - Consola saber, contudo, que o que não falta é trabalho

A utilidade da reforma trabalhista - Patrões e empregados devem tentar transformar as novas regras em algo que seja útil à carreira de cada brasileiro

Agosto tem perda de 86,5 mil empregos, informa Caged - Esse é o pior resultado para o mês em 20 anos

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: