Federal Reserve mantém juros inalterados

Comunicado afirma que o crescimento econômico desacelerou

Por Infomoney

Fed mantém juros inalterados

O Federal Reserve deu sinais de que pode manter os juros inalterados por um tempo maior agora diante das dificuldades econômicas dos Estados unidos. Na reunião encerrada nesta quarta-feira (27), a autoridade manteve as taxas inalteradas, após elevar os juros no fim do ano passado. O comunicado do Fed afirma que "o crescimento econômico desacelerou" desde a sua última reunião em dezembro e que é pouco provável que a inflação suba rapidamente em direção a sua meta de 2%, indicando um tom mais "dovish", que sugere que o banco não vai ser rápido para elevar os juros novamente.

O banco central também citou a turbulência do mercado de ações nos EUA e na China, dizendo que "está monitorando de perto os desenvolvimentos econômicos e financeiros globais". No entanto, apesar de perspectivas de curto prazo mais moderadas, o Fed afirmou que espera que a economia continue a crescer "a um ritmo moderado", ajudado por um fortalecimento do mercado de trabalho. A votação foi unânime pela manutenção da taxa. 

Em votação em separado, o Fed alterou os seus objetivos nas políticas de longo prazo para dizer formalmente que a sua meta de inflação de 2% era "simétrica" e "não um teto". O presidente do Fed de St. Louis, James Bullard, não concordou com a mudança, dizendo que a nova linguagem "não está suficientemente centrada nos desvios futuros esperados da inflação em relação à meta".

O Federal Reserve se reunirá novamente nos dias 15 e 16 de março, enquanto a presidente da autoridade monetária, Janet Yellen, falará no Congresso sobre as perspectivas para a economia e as taxas de juros nos dias 11 e 12 de fevereiro.


leia também

A crise no terceiro parceiro comercial do Sul - Casa Rosada anuncia pacote econômico. Indústria brasileira começa a evitar vendas a prazo na Argentina

Anefac: juros sobem pelo 16º mês seguido - Bancos elevam taxas para compensar aumento da inadimplência

Banco Central anuncia ações para baixar custo do crédito - Goldfajn confirmou que será proposta a cobrança de preços diferenciados para pagamentos em dinheiro e cartão de crédito

Banco Central indica corte menor de juros - Copom também prevê fim gradual do ciclo de reduções

Banco Central prevê queda do PIB de 3,3% este ano - A inflação, medida pelo IPCA, deve ficar em 6,9%

Bancos não poderão cobrar juros de mercado por atrasos em pagamentos - Para o BC, exigência trará mais uniformidade às operações de crédito e tornará as regras mais claras para os clientes

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: