Contas externas fecham 2015 com saldo negativo

O resultado ficou abaixo da projeção do BC, de US$ 62 bi ou 3,4% do PIB

Por Agência Brasil

Contas externas fecham 2015 com saldo negativo de US$ 58,9 bilhões

As contas externas fecharam 2015 com déficit de US$ 58,9 bilhões, de acordo com dados do Banco Central (BC), divulgados nesta terça-feira (26). Esse saldo negativo das transações correntes, que são as compras e as vendas de mercadorias e serviços e transferências de renda do país com o mundo, correspondeu a 3,3% de tudo o que o país produziu – Produto Interno Bruto (PIB). O resultado ficou abaixo da projeção do BC para o ano, de US$ 62 bilhões ou 3,4% do PIB. No balanço das transações correntes, a conta de renda primária (lucros e dividendos, pagamentos de juros e salários) foi a que apresentou o maior saldo negativo, no ano passado: US$ 42,3 bilhões.

A conta de serviços (viagens internacionais, transportes, aluguel de equipamentos, seguros, entre outros) contribuiu para o resultado negativo, com US$ 36,9 bilhões. A conta de renda secundária (renda gerada em uma economia e distribuída para outra, como doações e remessas de dólares, sem contrapartida de serviços ou bens) apresentou resultado positivo, de US$ 2,7 milhões. A balança comercial foi a que mais contribuiu para reduzir o déficit das contas externas. No ano passado, o superávit comercial (exportações maiores que as importações) chegou a US$ 17,6 bilhões.

Renda
Mesmo assim, o país gastou além de sua renda. Quando isso ocorre, é preciso financiar esse resultado negativo com investimentos estrangeiros ou tomar dinheiro emprestado no exterior. O investimento direto no país (IDP), recursos que entram no Brasil e vão para o setor produtivo da economia, é considerado a melhor forma de financiamento, por ser de longo prazo.

Em 2015, o IDP chegou a US$ 75 bilhões e foi mais que suficiente para cobrir todo o déficit em transações correntes. Em 2014, esses investimentos foram maiores: US$ 96,8 bilhões, mas abaixo do saldo negativo em transações correntes que chegou a US$ 104 bilhões. O resultado do ano passado superou a projeção do BC, de US$ 66 bilhões. O país registrou saída de investimento em ações negociadas em bolsas de valores no Brasil e no exterior e em fundos de investimento no total de US$ 98 milhões, em 2015. A saída de investimento em títulos negociados no país chegou a US$ 2 bilhões.


leia também

Dilma diz que sofreu segundo golpe de Estado na vida - Ex-presidente afirmou que recorrerá contra o que chamou de “fraude”

Economia brasileira crescerá este ano 0,3% - Banco Mundial ressalta que o país deve sair “lentamente” da recessão

FMI: economia crescerá mais fortemente em 2017 - Lagarde fez previsões em artigo para o jornal alemão Handelsblatt

A China fez o que o mercado queria - Corte de juros era algo esperado, mas ainda não é suficiente para ajudar na recuperação econômica, afirmam especialistas

A crise no terceiro parceiro comercial do Sul - Casa Rosada anuncia pacote econômico. Indústria brasileira começa a evitar vendas a prazo na Argentina

A estabilidade do funcionalismo público é mesmo necessária? - O tema é particularmente importante no contexto de ajuste fiscal, avalia Zeina Latif

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: