Indústria da construção está pessimista para 2016, diz CNI

Pesquisa mostra baixa propensão para investimentos nos próximos 6 meses

Por Agência Brasil

Indústria da construção teve queda no ano passado e está pessimista para 2016

A indústria da construção civil encerrou 2015 com queda na atividade e no emprego, informou nesta segunda-feira (25) a Confederação Nacional da Indústria (CNI). O indicador do nível de atividade recuou de 36,3 pontos, em novembro do ano passado, para 33,3 pontos em dezembro. O índice relativo ao número de empregados caiu de 35,7 pontos para 33 pontos, no mesmo período.

Segundo a CNI, os níveis alcançados em dezembro para ambos os indicadores são os piores da história. De acordo com a metodologia da pesquisa, empresários conferem uma pontuação de zero a cem a cada item. Quando o patamar fica abaixo de 50, considera-se que há queda. A indústria operou, em dezembro, em média, com 55% da capacidade de operação. Segundo a CNI, é o menor nível da série histórica, iniciada em janeiro de 2012. Na comparação com novembro, houve queda de dois pontos percentuais na utilização da capacidade operacional.

O desempenho fraco de 2015 impactou as expectativas e intenções do empresariado para 2016. A intenção de investimento caiu 1,3 ponto e está em 25 pontos, atualmente. Isso indica baixa propensão da iniciativa privada para investir ao longo dos próximos seis meses. O indicador de expectativa do nível de atividade pelos próximos seis meses, caiu recuando 1,6 ponto, e está em 37,7 pontos. O índice de perspectiva em relação ao número de empregados recuou 1,2 ponto a atingiu 37 pontos. Os valores abaixo de 50 pontos indicam pessimismo.


leia também

Dilma diz que sofreu segundo golpe de Estado na vida - Ex-presidente afirmou que recorrerá contra o que chamou de “fraude”

A bússola da Idealiza Urbanismo não aponta para a crise - Companhia tem um portfólio de empreendimentos para lançar no Sul e se prepara para conquistar o interior de São Paulo

A punição virá das gôndolas? - A tentativa de boicote às marcas do Grupo J&F

A responsabilidade do Congresso - O cuidado com os recursos públicos e o respeito à restrição orçamentária deveriam ser valores da casa, opina Zeina Latif

A superação de crise das empresas requer uma equipe - Para Telmo Schoeler, o grupo deve elaborar plano de ações corretivas

A superfície e as profundezas da economia - Retomada poderá ser difícil dada a situação financeira empresarial

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: