Dólar cai, mas fecha em alta pela quarta semana seguida

O dia também foi de recuperação na bolsa de valores

Por Agência Brasil*

Dólar cai 1,3%, mas fecha em alta pela quarta semana seguida

Um dia depois de bater recorde, a moeda norte-americana fechou com forte queda. O dólar comercial encerrou esta sexta-feira (22) vendido a R$ 4,111, com queda de 1,3%. Apesar da retração, a cotação fechou em alta pela quarta semana consecutiva. Na quinta-feira (21), o dólar tinha fechado em R$ 4,166, na maior cotação desde a criação do real, em 1994. Hoje, a moeda operou todo o dia em queda. A divisa acumula alta de 1,6% na semana e de 4,1% em 2016.

A alta do dólar na quinta ocorreu após a decisão do Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) de manter a taxa Selic – juros básicos da economia – em 14,25% ao ano. Juros mais baixos deixam de atrair capitais financeiros para o país, pressionando para cima a cotação do dólar. 

O dia também foi de recuperação na bolsa de valores. O índice Ibovespa, da Bolsa de Valores de São Paulo, subiu 0,81% nesta sexta-feira, encerrando em 38.021 pontos. As ações da Petrobras, que ontem tiveram forte alta, recuaram levemente. Os papéis PN, que dão preferência à distribuição de dividendos, fecharam em R$ 4,42, com alta de 1,7%. As ações ordinárias, que dão direito a voto na assembleia de acionistas, encerraram em R$ 6,24, com queda de 0,7%.

Diferentemente dos últimos dias, o mercado financeiro foi beneficiado pelos fatores externos. Os preços do petróleo do tipo Brent tiveram forte alta e voltaram a fechar acima de US$ 30 por causa das ondas de frio nos Estados Unidos e na Europa, que deverão elevar o consumo de combustíveis no hemisfério norte. Também contribuiu para melhoria dos mercados internacionais a declaração de Mario Draghi, presidente do Banco Central Europeu. Ele afirmou que a instituição revisará a política em março. A declaração foi interpretada como indicação de que o órgão pode conceder novas injeções monetárias, depois de ter mantido os juros da zona do euro no menor nível da história.

Nas últimas semanas, o mercado global foi afetado pela desaceleração da economia chinesa, apesar de o governo do país ter anunciado a injeção de 600 bilhões de yuans na segunda maior economia do planeta. No ano passado, o país asiático cresceu 6,9%, a menor expansão dos últimos 25 anos. A instabilidade na economia chinesa afeta países exportadores de commodities – matérias-primas com cotação internacional – como o Brasil. A redução da demanda por produtos como ferro e soja barateia as exportações brasileiras. Com menos dólares do comércio internacional entrando no país, a cotação sobe.

*Com informações complementares da Agência Lusa.


leia também

Dilma diz que sofreu segundo golpe de Estado na vida - Ex-presidente afirmou que recorrerá contra o que chamou de “fraude”

A Cetip é a ação de dividendos mais indicada para compra - Cinco corretoras recomendam o papel da empresa do setor financeiro

A China fez o que o mercado queria - Corte de juros era algo esperado, mas ainda não é suficiente para ajudar na recuperação econômica, afirmam especialistas

A crise no terceiro parceiro comercial do Sul - Casa Rosada anuncia pacote econômico. Indústria brasileira começa a evitar vendas a prazo na Argentina

A estabilidade do funcionalismo público é mesmo necessária? - O tema é particularmente importante no contexto de ajuste fiscal, avalia Zeina Latif

A punição virá das gôndolas? - A tentativa de boicote às marcas do Grupo J&F

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: