O rejuvenescimento da Festa Nacional da Uva

Evento do Sul que destaca a imigração italiana ensaia atrair jovens, mas sem abandonar o culto aos antepassados

Por Marcos Graciani

graciani@amanha.com.br

Soberanas da 31ª Festa Nacional da Uva

Os manuais de gestão costumam apregoar que qualquer empresa é um organismo vivo e, por sobrevivência da espécie, é necessário inovar todos os dias. A organização da 31ª Festa Nacional da Uva, tradicional evento realizado em Caxias do Sul, está seguindo essa filosofia à risca. Tanto é verdade que não faltam novidades na celebração que ocorrerá de 18 de fevereiro a 6 de março nos Pavilhões da Festa da Uva. Entre as inovações estará o Museu do Videogame Itinerante. O museu oferece nada menos do que 270 aparelhos – 50 deles disponíveis para que o público possa jogar e interagir – de todas as gerações ao longo de mais de quatro décadas de evolução. Entre os jogos disponíveis estão o Atari 2600, Nintendo Famicom, Panasonic 3DO, Xbox, Playstation, entre outros. Paralelos à atração serão realizados concurso de Just Dance e o primeiro Concurso Sul Brasileiro de Cosplayer. “A festa tem por característica atrair adultos e idosos. No entanto, faltavam atrações como essas para atrair os mais jovens”, justifica Edson Nespolo, presidente da Festa Nacional da Uva. 

A estimativa para esta edição é reunir 1 milhão de pessoas. Na edição anterior, em 2014, por exemplo, foram recebidos visitantes de 145 diferentes cidades, entre elas de Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Mato Grosso do Sul e Distrito Federal. Um dos atrativos – justamente em tempos de recessão econômica aguda – será o preço dos ingressos. Para acompanhar as atrações de segunda a quinta, o custo será de R$ 12 enquanto de sexta a domingo o preço sobe para R$ 14.  Porém, será possível até 31 de janeiro comprar um passaporte que garante entrada livre todos os dias. Nesse caso, o investimento é de R$ 80. O segundo lote de passaportes passarão a ser comercializados em 1º de fevereiro e será preciso desembolsar R$ 90. Em qualquer uma das situações, a economia é animadora. Se o visitante comprasse os ingressos individuais, teria de desembolsar R$ 243. “Podem até dizer que Papai Noel não existe, mas com uma promoção dessas, tenha certeza que ele é morador de Caxias”, brinca Alceu Barbosa Velho, prefeito da cidade, que visitou nesta semana a Redação de AMANHÃ acompanhando a rainha da Festa Nacional da Uva, Rafaelle Galioto Furlan (na foto, ao centro), e as princesas Laura Denardi Fritz (na foto, à esquerda) e Patrícia Piccoli Zanrosso (na foto, à direita). 

A crise, aliás, parece ter passado bem longe da edição deste ano da festa. Tanto é que todos os 460 estandes da feira agroindustrial, que ocorre em paralelo, já estão comercializados. A lista de espera passa de 20 empresas, principalmente dos ramos de erva-mate, lareiras e churrasqueiras. Outras exposições do gênero, onde figuram mais fortemente cadeias industriais como a plástica, tiveram apenas 60% de estandes negociados. Os 18 dias de festa totalizarão um investimento de R$ 17 milhões – R$ 1 milhão a mais do que na edição anterior. 

Desfile de atrações
Outra mudança importante será nos oito desfiles cênico-musicais. De acordo com os organizadores, a mudança do local do desfile, após 58 anos, da Sinimbu para a Plácido proporcionará uma maior proximidade entre o público e os artistas como se estivessem em um teatro. O desfile contará a história da imigração italiana cronologicamente. O roteiro começa em 1875 segue para 1910, 1940 e assim por diante, e os figurinos acompanham esse trabalho. Tanto as vestimentas, quanto os acessórios foram concebidos por meio de pesquisa histórica. O tema deste ano é “Imagens e Horizontes”, mote para comemorar os 140 anos da imigração italiana. 

Ainda que conte com muitas inovações, a tradicional Festa da Uva não deixará de colocar o vinho em evidência. Pelo menos dez munícipios da região levarão suas vinícolas para que o público possa degustar a bebida. Além disso, no Espaço Sabor da Festa, as pessoas poderão provar uvas comuns e viníferas [próprias para produzir vinhos]. A Cidade das Rolhas, construída entre a Réplica de Caxias e o Grupo de Escoteiros Moacara, é outra atração. O local apresentará a réplica de uma vila italiana, com 42 unidades de prédios confeccionados com 45 mil rolhas. A visitação será monitorada e o ambiente receberá efeitos de luz e som.


leia também

A magia do vinho no sudoeste da França - Fernando Dourado Filho conta como a bebida pode mudar o rumo dos negócios

Abilio Diniz se torna sócio minoritário da Wine - Valor da transação do e-commerce de vinhos, que pertence ao Grupo RBS, não foi revelado

Grupo DiPaolo planeja abraçar o Sul - Empresário Paulo Geremia pretende abrir unidade em Curitiba até 2018

Laboratório de Referência Enológica passará por modernização - Aporte de R$ 18 milhões ajudará no controle mais efetivo dos vinhos brasileiros comercializados no país

Petronius vinifica seus primeiros vinhos - Projeto resgata a história de seis gerações de produtores de bebidas no país

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: