Decisão do Copom provoca alta do dólar

Moeda fechou em R$ 4,16, maior valor já registrado desde o Plano Real

Da Redação

redacao@amanha.com.br

Dólar

O dólar fechou esta quinta-feira (21) quase 1,5% acima em relação ao real. Com isso, atingiu o maior nível na história, após o Banco Central (BC) manter os juros básicos em 14,25% em meio a profundas dúvidas do mercado sobre a comunicação e a estratégia da política monetária. A decisão do BC fez com que analistas alterassem suas perspectivas para a moeda, esperando que ela atinja até R$ 4,80 neste ano.

A moeda norte-americana avançou 1,4%, a R$ 4,1644 na compra e R$ 4,1655 na venda. É a maior cotação de fechamento já registrada desde a criação do Plano Real, em 1994. Antes, o recorde para a cotação de encerramento era dos R$ 4,145 registrado em 23 de setembro. A moeda norte-americana atingiu R$ 4,1737 na máxima da sessão, maior cotação do dia desde o recorde histórico de R$ 4,2491, atingido em 24 de setembro de 2015.

O mercado teve a expectativa da elevação da taxa de juros contrariada na noite desta quarta-feira, o que reforçou a leitura da interferência do governo no Banco Central. Os agentes financeiros também temem que a manutenção da Selic indique o abandono da política macroeconômica mais ortodoxa e o retorno da “nova matriz econômica”, adotada por Dilma Roussef no seu primeiro mandato, que, na visão deles, provocou os problemas fiscais brasileiros e, por consequência, o afastamento dos investimentos estrangeiros. Além disso, o mercado receia que a possibilidade de corte na taxa básica de juros comece a ser considerado pelo governo e pela autoridade monetária, o que diminuiria a atratividade do real para os estrangeiros. A deliberação do Copom, porém, foi recebida de forma positiva na bolsa de valores. Para os operadores, a sustentação da Selic em 14,25% representa um alívio, já que o aumento dos juros significa uma maior concorrência para a renda variável. 

leia também

A Cetip é a ação de dividendos mais indicada para compra - Cinco corretoras recomendam o papel da empresa do setor financeiro

A China fez o que o mercado queria - Corte de juros era algo esperado, mas ainda não é suficiente para ajudar na recuperação econômica, afirmam especialistas

A crise invejável da Liderança Serviços - Crescimento da empresa será de “apenas” 8% neste ano

A punição virá das gôndolas? - A tentativa de boicote às marcas do Grupo J&F

Ação da Braskem segue quebrando recordes - Alta do dólar e queda dos preços do petróleo beneficiam empresa

Ações da Marcopolo podem valorizar mais de 50% - Fabricante de ônibus faz parte da carteira da Planner

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: