Bolsas da Ásia fecham no vermelho mais uma vez

Para mostrar liquidez, China injetou 400 bi de yuans no sistema financeiro

Por Agência Brasil

Bolsas de Valores da Ásia fecham no vermelho mais uma vez

Mais uma vez, as bolsas asiáticas apresentaram quedas expressivas nesta quinta-feira (21). Os motivos para a retração de hoje ainda estão ligados às dúvidas sobre a força da economia da China – que teve o pior desempenho em 25 anos – e a forte queda no preço do barril de petróleo. A Bolsa de Tóquio teve queda de 2,4%, em Xangai a retração foi de 3,2% e Hong Kong caiu 1,3%. O que mais chamou a atenção foi que, pela primeira vez desde 1998, o principal índice da Bolsa de Hong Kong caiu abaixo do valor do patrimônio líquido ("net asset"). Analistas dizem que esse é um sinal claro de que o dinheiro está saindo da praça financeira conhecida como uma das economias mais abertas do mundo.

"Nos mercados, a situação de momento é de muita instabilidade e há muita preocupação", opinou um analista de Tóquio à agência especializada Bloomberg. Para mostrar liquidez e dar um sinal positivo ao mercado, o Banco do Povo da China (PboC, o Banco Central) injetou 400 bilhões de yuans (US$ 60,7 bilhões) no sistema financeiro. Essa é a terceira vez na semana que dinheiro do governo é colocado no mercado. A medida quer prover liquidez antes do feriado do Ano-Novo Lunar no país, que fecha os mercados por dias. Apesar dos problemas na Ásia, as Bolsas da Europa abriram em níveis estáveis, com média de alta de 1%.


leia também

15 anos da China na OMC - Poderá o Brasil enfrentar o seu maior parceiro comercial?

A briga dos EUA com a China beneficiará o Brasil? - Os dois países têm estratégias claras e mercados consumidores imensos

A China atenuará o pânico em torno de sua economia? - Preocupação é se o país manterá crescimento abaixo de dois dígitos

A China é economia de mercado, quer queiramos ou não - Não podemos imaginar que ganharemos algo confrontando a maior economia do mundo com argumentos frágeis

A China fez o que o mercado queria - Corte de juros era algo esperado, mas ainda não é suficiente para ajudar na recuperação econômica, afirmam especialistas

A China rural não existe mais - A mudança do modelo de crescimento econômico continuará elevando as demandas do país mais populoso do mundo

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: