Ibovespa fecha em queda por causa do petróleo

Preocupação com a economia global afeta as bolsas em todo o mundo

Da Redação

redacao@amanha.com.br

Ibovespa cai influenciada por queda do petróleo

O cenário externo foi novamente negativo nesta quarta-feira (20) culminando na queda das bolsas norte-americanas a seus menores patamares desde 2014. A causa foi o resultado decepcionante da Shell. Um relatório da Agência Internacional de Energia falando que o mercado se afogará em oferta de petróleo também fez com que o mercado atuasse com muita cautela. Com isso, o Ibovespa registrou perdas de 1,08%, a 37.645 pontos. A moeda norte-americana fechou o dia em alta frente ao real. O dólar comercial subiu 1,2%, cotado a R$ 4,1027. Esse é o maior patamar desde 28 de setembro do ano passado. O câmbio acompanhou a valorização do dólar frente às moedas emergentes, que foram afetadas por mais um dia de queda do preço do petróleo, que caiu para US$ 27 o barril. 

Na Europa, o DAX tem queda de 3,1% e o CAC 40 opera em baixa de 3,8%. O índice Nikkei, do Japão, entrou em bear market, fechando em queda de 3,7%, enquanto Xangai fechou em baixa de 1,04% e Hang Seng teve baixa de 3,8%. As ações chinesas caíram hoje, devolvendo parte dos ganhos de 3% da sessão anterior, após o regulador do mercado aprovar uma nova onda de ofertas públicas iniciais de ações (IPO), enquanto no restante do continente os papéis retornaram para uma nova mínima de quatro anos. 


leia também

A América Latina terá de aprender a crescer sem o impulso das commodities - As matérias-primas não terão um novo ciclo de alta de preços, apesar das altas nos primeiro trimestres do ano

A China atenuará o pânico em torno de sua economia? - Preocupação é se o país manterá crescimento abaixo de dois dígitos

A China fez o que o mercado queria - Corte de juros era algo esperado, mas ainda não é suficiente para ajudar na recuperação econômica, afirmam especialistas

A crise no terceiro parceiro comercial do Sul - Casa Rosada anuncia pacote econômico. Indústria brasileira começa a evitar vendas a prazo na Argentina

A punição virá das gôndolas? - A tentativa de boicote às marcas do Grupo J&F

Ação da Braskem segue quebrando recordes - Alta do dólar e queda dos preços do petróleo beneficiam empresa

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: