BM&FBovespa tem quinto dia seguido de queda

O movimento negativo foi puxado pela Petrobras

Da Redação

redacao@amanha.com.br

BM&FBovespa tem quinto dia seguido de queda puxada pela Petrobras

O Ibovespa terminou a terça-feira (12) com retração de 1,1% (39.514 pontos). Dessa forma, o índice alcançou seu menor patamar desde 17 de março de 2009 (38.607 pontos). Foi o quinto dia seguido de queda da bolsa. O movimento negativo foi puxado pela Petrobras e também pela Vale. Também afetou o desempenho da petrolífera a revisão de investimento divulgada hoje. Petrobras PN caiu 9,2%, para R$ 5,53, a maior baixa do Ibovespa. Petrobras ON recuou 7,6%, para R$ 7. Ambos os papéis fecharam no menor nível desde maio de 2004. O giro financeiro negociado na BM&FBovespa foi de R$ 4,7 bilhões. 

A queda dos preços do petróleo tem causado problemas para a política de preços da estatal. Nesta terça, o Morgan Stanley cortou projeção do barril para a commodity para US$ 20. A indefinição quanto à demanda chinesa e na volta do Irã ao mercado do lado da oferta depois de anos de restrições por conta das sanções internacionais ao seu programa nuclear foram os dois fatores que pesaram na decisão do banco. 

Com isso, os barris do petróleo tipo Brent e WTI registraram perdas na casa de 1%. O segundo tipo da commodity chegou a operar abaixo dos US$ 30,00, menor patamar desde dezembro de 2003. Já o dólar comercial fechou em leve queda de 0,16%, cotado a R$ 4,0452 na venda.


leia também

Dilma diz que sofreu segundo golpe de Estado na vida - Ex-presidente afirmou que recorrerá contra o que chamou de “fraude”

A América Latina terá de aprender a crescer sem o impulso das commodities - As matérias-primas não terão um novo ciclo de alta de preços, apesar das altas nos primeiro trimestres do ano

A China fez o que o mercado queria - Corte de juros era algo esperado, mas ainda não é suficiente para ajudar na recuperação econômica, afirmam especialistas

A estabilidade do funcionalismo público é mesmo necessária? - O tema é particularmente importante no contexto de ajuste fiscal, avalia Zeina Latif

A punição virá das gôndolas? - A tentativa de boicote às marcas do Grupo J&F

A responsabilidade do Congresso - O cuidado com os recursos públicos e o respeito à restrição orçamentária deveriam ser valores da casa, opina Zeina Latif

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: