Os sete pecados capitais de um site ruim

Erro comum é utilizar muitas expressões técnicas

Por Alexandre Ribenboim*

Os sete pecados capitais de um site ruim

Um website é como uma casa virtual da empresa: o cliente entra,  observa a organização dos móveis, a limpeza de tudo, a higiene da cozinha. Contudo, muitas companhias tratam sua casa na internet de qualquer forma. Colocam lá vários textos mal escritos, fotos baratas de banco de imagens, dados incorretos para contato e esperam que os visitantes se entusiasmem. Ou não esperam nada – o que é ainda pior. Mas se você quer atrair negócios com o site, deve saber que receber bem é tarefa primordial. Listo, a seguir, os sete pecados capitais de um site ruim e as soluções para cada um desses problemas. 

1 - “Eu isto, eu aquilo, etc”
Fale tudo sobre você, sobre sua empresa, missão e valores, produtos, serviços, diferenciais, enfim, conte sua história incrível e você não criará vínculo algum com o visitante. A única coisa que você vai conseguir é cansá-lo e afastar uma boa oportunidade de iniciar um relacionamento. 
Redenção: escreva os textos usando a ótica do seu cliente.

2 - “Eu sou o melhor, o mais rápido, o mais eficiente, o mais bonito e inteligente...”
Use e abuse dos adjetivos sobre você mesmo – especialmente se não há uma fonte independente e qualificada que garanta que eles procedem e você espantará os consumidores exigentes e céticos que navegam pela web. 
Antídoto: apresente seus produtos, serviços e diferenciais de forma sutil. Ofereça algo que possa ajudar o cliente a ter sucesso, afinal é isso o que importa. Você é um mero coadjuvante.

3 - “Nossa expertise nos levou a criar um serviço premium e whitelabel. Para isso, usamos um extenso case de soluções e know-how”
Abuse de expressões técnicas e palavras em inglês. Desse modo, você vai “deletar” a vontade que os clientes terão de interagir com a empresa. Muitas vezes, por achar o discurso complexo, o internauta desistirá de ir adiante por não ter entendido a linguagem. 
Sugestão: escreva tudo em português, em linguagem simples, aquela usada corriqueiramente pelo cliente. Use o texto para se mostrar parceiro, próximo e acessível. 

4 - Brinque de caça ao tesouro com a informação mais importante do seu site
Faça o cliente ter trabalho de procurar aquele pequeno botão de “contato”, misturado entre tantos outros. Coloque só dentro da página de contato os telefones, e-mails e formulários para iniciar uma conversa com a empresa.  
Saída: os telefones, os e-mails e o formulário de “Fale conosco” devem estar acessíveis em todo o site. O cliente não pode perder um segundo entre o momento em que decide se comunicar e o momento em que encontra uma forma para fazer isso. 

5 - Use um formulário de “Fale conosco” que não funciona
Sabe um daqueles que dá erro quando o cliente pressiona o botão de enviar as informações ou não dá erro algum, mas os dados preenchidos nunca chegam ao seu conhecimento? No primeiro caso, além de você não estabelecer o contato, ainda passa uma imagem de que nem o seu site funciona, que dirá seus produtos e serviços… Já no segundo caso, você cria a percepção de que não se importa com o cliente, pois não respondeu o pedido.
Fique atento: o formulário tem de funcionar e você deve testá-lo todas as semanas.

6 - O formulário não é para todos e não está preparado para receber os dados dos diversos tipos de clientes que sua empresa atende
Exemplo: você vende para clientes em São Paulo, que tem o nono dígito nos números de telefone celular, mas seu formulário não permite telefones com mais do que oito espaços. Como o cliente vai preencher seu formulário? 
Dica: estude todas as formas possíveis de se preencher os dados do formulário, pois o cliente não pode ter trabalho para entrar em contato.

7 - Prometa e não cumpra
“Obrigado por preencher o nosso formulário. Você receberá um contato em X horas”, diz a mensagem. Mas horas depois simplesmente nada acontece! 
Redenção óbvia: faça o que prometeu.

Quer atrair negócios via a web? Tenha um site que trata muito bem o visitante que é um cliente em potencial.

*Empreendedor.

Leia o artigo original aqui.


leia também

A era das aberrações - Se dependesse de nossa geração, não estaríamos confrontados com opções tão medíocres quanto as que temos hoje

A necessidade de controlar a internet nas empresas - O mau uso pode causar até mesmo demissão por justa causa

Aprenda a separar o útil do fútil no mundo digital - A sabedoria está no uso consciente e equilibrado da web

As novas carreiras do marketing digital - Estatísticos e engenheiros podem se beneficiar na área

Cavaletti: um negócio de família que virou referência - Conheça a história da empresa presente no livro 100 Marcas do RS

Comércio eletrônico registra crescimento em 2015 - Vendas online aumentaram 15% e movimentaram R$ 41,3 bilhões

comentarios




Elias de Lima

Oitavo erro: coloque um anúncio como um outdoor piscante. É uma chatice.

Gilberto Strapazon

Ótimos pontos apresentados no artigo. Mas se sua empresa tem um site, uma das piores coisas que podem acontecer é omitir soluções. Colocar um site no ar, muito pior um e-commerce, é deixar de fazer todo o básico, todo mesmo, e se colocar numa postura endeusada e achar que "se o cliente tiver problema ele nos contate". Tenha certeza que o cliente raramente vai contatar sua empresa se não encontrar o que precisa. E ser for um site de vendas, a credibilidade do seu negócio pode facilmente perder esse e dúzias de outros que vão saber rapidamente pela internet que seu site não contempla o que devia. Lembre: a internet e as redes sociais funcionam – e muito. Numa loja de rua, você perde dez clientes para cada um que for mal atendido. Num site da internet, você perde muitas vezes mais se não for profissional e deixar de respeitar as pessoas que vão tentar negócio com você.

Comentar

Adicione um comentário: