Bolsa chinesa desaba e negociações são suspensas

BC desvalorizou taxa de câmbio em torno da qual o Yuan flutua

Da Redação

redacao@amanha.com.br

Bolsa chinesa desaba 7% e negócios são novamente suspensos na primeira semana de 2015

O pregão da bolsa chinesa não durou nem mesmo 30 minutos nesta quinta-feira (7), pois foi interrompido pelo Circuit Break, mecanismo que encerra os negócios após a queda abrupta de ações. Pela segunda vez nesta semana, o pregão teve de ser suspenso em razão da queda de mais de 7%. Foi o pior dia de negociações em 25 anos no país.

Desta vez, o que causou o nervosismo no gigante asiático foi a decisão do Banco Central da China de desvalorizar em 0,51% a taxa de câmbio em torno da qual o Yuan pode flutuar durante o dia. Essa foi a maior variação diária desde a mudança de politica do BC chinês, em agosto. A desvalorização é interpretada com um sinal de preocupação com a economia do país, já que a decisão estimula as exportações.

Alguns fatos estão fazendo com que o mundo esteja mais preocupado com a China. A atividade industrial, por exemplo, encolheu pelo décimo mês seguido. Além do mais, o país tem uma dívida de US$ 28 trilhões somando governo, famílias e empresas. Um terceiro aspecto é que as exportações sul-coreanas caíram 13,8% em dezembro na comparação anual. Como se sabe, a economia da Coréia do Sul é muito aberta e muito dependente de outros grandes países como a China que, sozinha, absorve um quarto das exportações sul-coreanas. Esse fluxo caiu 5,6% no ano passado em comparação com 2014. Por fim, o volume de frete ferroviário retrocedeu 10,5% em 2015. Além de ser o maior declínio da história, o índice é duas vezes maior do que a queda de 4,7% em 2014.


leia também

A China atenuará o pânico em torno de sua economia? - Preocupação é se o país manterá crescimento abaixo de dois dígitos

A China fez o que o mercado queria - Corte de juros era algo esperado, mas ainda não é suficiente para ajudar na recuperação econômica, afirmam especialistas

Após "segunda-feira negra", dólar fecha em R$ 3,60 - Alta no déficit externo eleva chance de corte de rating do Brasil

Banco Central chinês injeta US$ 20 bilhões na economia - É a maior quantidade de recursos aportados desde setembro de 2015

Bolsas da Ásia fecham no vermelho mais uma vez - Para mostrar liquidez, China injetou 400 bi de yuans no sistema financeiro

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: