IPC-S acumula alta de 10,53% em 2015

A tarifa de energia elétrica foi o item que mais influenciou a inflação ao longo do ano, com reajuste de 49,4%

Por Agência Brasil

A tarifa de energia elétrica foi o item que mais influenciou a inflação ao longo de 2015, com reajuste de 49,4%

O Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) teve variação de 0,88% na última medição de dezembro, acumulando alta de 10,53% no período entre janeiro e dezembro de 2015. De acordo com o levantamento feito pelo Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getulio Vargas (FGV), a tarifa de energia elétrica foi o item que mais influenciou a inflação ao longo do ano, com reajuste de 49,4%.

Na última apuração de 2015, quatro dos oito grupos pesquisados apresentaram queda, com destaque para transportes (0,8% ante uma alta de 1%). Entre os itens que mais contribuíram para esse resultado está a gasolina, que passou de 2,2% para 1,3%.

Também diminuiu a intensidade de aumento nos grupos habitação (de 0,4% para 0,3%), com a tarifa de energia passando de 1,2% para 0,6%; educação, leitura e recreação (de 1% para 0,8%) influenciada pelos ingressos em salas de espetáculo (de 1,8% para 1,5%). 

Em sentido oposto, ocorreram avanços, em índices superiores aos registrados na terceira prévia de dezembro, nos seguintes grupos: alimentação (de 1,6% para 1,7%), puxado pela alimentação fora de casa (de 0,6% para 0,7%); vestuário (0,6% para 1%), com elevação das roupas em 1,2% ante 0,6%; despesas diversas (0,3% para 0,4%), com destaque para a tarifa postal (de 3% para 5,9%). 

Os cinco itens com reflexo de alta sobre o IPC-S no fechamento do ano foram: refeições em bares e restaurantes (0,6%); gasolina (1,3%); tomate (13,3%) tarifa de táxi (8,7%) e plano e seguro de saúde (10,3%). Já os itens que mais ajudaram a conter a inflação foram: manga (-4,8%); computador e periféricos (-0,4%); alface (-1,5%) e automóvel usado (-0,1%).


leia também

A gigante da energia paranaense - Como a Copel usou a engenharia para vencer os limites estaduais

Alimentos ajudam a reduzir inflação em novembro - Em 12 meses, o IPCA acumula taxa de 6,9%, bem abaixo dos 7,8% de outubro

Alimentos pressionam e inflação volta a subir - IPCA já acumula alta de 8,74% nos últimos doze meses

Aneel autoriza reajuste de tarifas de energia da região Sul - Três das cinco cooperativas terão valores reduzidos

Ano novo, vida nova? Nem tanto - O cenário econômico brasileiro deve permanecer instável em 2016

Até 2024, 1 mi de brasileiros devem gerar energia própria - Uma residência pode obter o retorno do investimento a partir de 4 anos

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: