Confiança do comércio fecha o ano em queda de 26,5%

Setor também deve contratar menos funcionários

Por Agência Brasil

Confiança do comércio fecha o ano em queda de 26,5%

O Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec) fechou o ano de 2015 no patamar mais baixo desde que o indicador começou a ser pesquisado pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), em março de 2011. De acordo com a CNC, o índice ficou em 79,9 pontos em dezembro deste ano, 26,5% abaixo do mesmo período no ano passado.

A queda da confiança dos empresários foi provocada, principalmente, pelas condições atuais que tiveram piora de 50,8% na avaliação. Os empresários estão menos confiantes na situação presente da economia (-68,7%), do segmento comercial (-50,3%) e de suas próprias empresas (-40,7%). Houve piora também nas expectativas dos empresários, que recuaram 15,7%, com quedas nas avaliações sobre o futuro da economia (-22%), do comércio (-14,9%) e das empresas (-11,2%). A intenção de investimentos também caiu (-23,6%). Os empresários esperam investir menos na empresa (-34,9%), contratar menos funcionários (-27%) e têm uma visão mais negativa sobre seus estoques (-6,7%).

Segundo Izis Janote Ferreira, economista da CNC, o resultado do Icec é um reflexo de um ano ruim para a economia brasileira. “O ano de 2015, por todos os indicadores que vêm sendo divulgados, foi um período difícil, principalmente para o comércio. Pelos dados do PIB, a gente vem observando que o comércio acumula quedas consecutivas”, analisa.  Na comparação com o mês de novembro deste ano, o Icec caiu 1,4%, com piora nas avaliações sobre as condições atuais (-12,2%). Houve melhoras nas expectativas para os próximos meses (1%) e nas intenções de investimentos (0,7%).


leia também

Dilma diz que sofreu segundo golpe de Estado na vida - Ex-presidente afirmou que recorrerá contra o que chamou de “fraude”

A China é economia de mercado, quer queiramos ou não - Não podemos imaginar que ganharemos algo confrontando a maior economia do mundo com argumentos frágeis

A China fez o que o mercado queria - Corte de juros era algo esperado, mas ainda não é suficiente para ajudar na recuperação econômica, afirmam especialistas

A China rural não existe mais - A mudança do modelo de crescimento econômico continuará elevando as demandas do país mais populoso do mundo

A estabilidade do funcionalismo público é mesmo necessária? - O tema é particularmente importante no contexto de ajuste fiscal, avalia Zeina Latif

A luz no final do túnel é um trem chinês - O país de proporções gigantescas mantém a estratégia de crescer

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: