Confiança do comércio cai 22 pontos em um ano

A retração sinaliza que o setor prevê um cenário de dificuldades

Por Agência Brasil

Confiança do comércio cai 22 pontos em um ano, mostra FGV

O Índice de Confiança do Comércio (Icom) caiu 22 pontos em um ano ao fechar dezembro com retração de 4,5 pontos em relação a novembro. Com a retração de novembro para dezembro, o índice atingiu 61,4 pontos, o segundo menor nível da série iniciada em março de 2010. Em dezembro do ano passado, na série dessazonalizada, a confiança do comércio estava 85 pontos. A queda acontece depois de o indicador ter fechado novembro com alta de 4,6 pontos. Os dados foram divulgados nesta quarta-feira (23) pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre-FGV).

Neste segundo semestre do ano dos seis resultados aferidos pela FGV, o Índice de Confiança do Comércio registrou cinco resultados negativos. O único onde houve aumento da confiança foi exatamente o de novembro (4,6%), que interrompeu uma sucessão de resultados negativos.  Na avaliação do superintendente adjunto para Ciclos Econômicos da FGV, Aloísio Campelo Jr., a retração sinaliza que o setor trabalha um cenário de dificuldades. “A piora expressiva das expectativas em dezembro mostra que o setor antecipa o enfrentamento de dificuldades nos próximos meses”, opina Campelo Jr. Segundo ele, o cenário traçado pelas empresas parece combinar projeções de continuidade do ajuste das finanças familiares, piora do mercado de trabalho, condições de crédito mais restritas que de costume e confiança do consumidor ainda muito baixa.

A queda do Icom em dezembro foi influenciada, principalmente, pela piora das expectativas em relação aos próximos meses, com o Índice de Expectativas (IE-COM) com queda de 7,2 pontos e chegando a 66,5 pontos, o menor valor da série. A maior contribuição para a retração foi dada pelo indicador que capta o grau de otimismo com as vendas nos três meses seguintes, que recuou 12,2 pontos em relação ao mês anterior. 

O Índice de Situação Atual (ISA-COM), que retrata a percepção dos empresários em relação ao momento atual, evoluiu desfavoravelmente ao apresentar uma queda de 1,8 pontos, registrando 57,3 pontos, também o segundo menor valor da série. A piora do ISA-COM foi, segundo a FGV, mais acentuada no quesito que mede o grau de satisfação das empresas com a situação atual dos negócios, que caiu 2,5 pontos em dezembro, frente a novembro.


leia também

Dilma diz que sofreu segundo golpe de Estado na vida - Ex-presidente afirmou que recorrerá contra o que chamou de “fraude”

A China é economia de mercado, quer queiramos ou não - Não podemos imaginar que ganharemos algo confrontando a maior economia do mundo com argumentos frágeis

A China fez o que o mercado queria - Corte de juros era algo esperado, mas ainda não é suficiente para ajudar na recuperação econômica, afirmam especialistas

A China rural não existe mais - A mudança do modelo de crescimento econômico continuará elevando as demandas do país mais populoso do mundo

A estabilidade do funcionalismo público é mesmo necessária? - O tema é particularmente importante no contexto de ajuste fiscal, avalia Zeina Latif

A luz no final do túnel é um trem chinês - O país de proporções gigantescas mantém a estratégia de crescer

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: