O impacto do Impeachment no mercado

XP apresenta visão dos investidores com possível troca de presidente

Da Redação

redacao@amanha.com.br

XP apresenta visão dos investidores com possível troca de presidente

A XP Investimentos aplicou uma pesquisa abordando questões envolvendo um cenário de Impeachment. O objetivo foi entender as perspectivas dos investidores institucionais com relação ao que aconteceria caso ocorresse uma troca na presidência da República. Para os entrevistados, há grande probabilidade do fato político se concretizar: 64% dos respondentes acreditam que essa chance é superior a 60%. Na última pesquisa, 63% colocavam a possibilidade como inferior a 40%. A próxima etapa do levantamento consistiu em verificar em quando poderia, eventualmente, ocorrer o Impeachment. O segundo semestre do próximo ano é apontado por 77% dos entrevistados.  

A corretora também questionou em qual nível os investidores acreditam que o Ibovespa estaria em caso de impeachment. A visão majoritária permaneceu entre 50 mil e 55 mil pontos. No entanto, aumentou a proporção dos que acreditam nesse patamar, indo de 34% para 40%. Se antes apenas 5% apontavam para a faixa entre 55 mil e 60 mil pontos, o índice da nova amostra obteve um salto (38%). Atualmente, o Ibovespa soma 44 mil pontos. 

A visão em torno do dólar se modificou muito entre as duas pesquisas. O estudo mais atual mostra a moeda norte-americana mais desvalorizada em caso de Impeachment. Na visão de 55% dos investidores, o dólar estaria entre R$ 3,50 e R$ 4. No levantamento anterior, 60% dos entrevistados apontavam para esse intervalo. Para 33% o cenário mais provável seria entre R$ 3 e R$ 3,50.


leia também

Dilma diz que sofreu segundo golpe de Estado na vida - Ex-presidente afirmou que recorrerá contra o que chamou de “fraude”

A China fez o que o mercado queria - Corte de juros era algo esperado, mas ainda não é suficiente para ajudar na recuperação econômica, afirmam especialistas

A crise no terceiro parceiro comercial do Sul - Casa Rosada anuncia pacote econômico. Indústria brasileira começa a evitar vendas a prazo na Argentina

A punição virá das gôndolas? - A tentativa de boicote às marcas do Grupo J&F

Ação da Braskem segue quebrando recordes - Alta do dólar e queda dos preços do petróleo beneficiam empresa

Ações da Braskem seguem em queda por Lava Jato - Os papéis desvalorizaram mais de 5% nesta quinta-feira

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: