Inflação acumula alta de 9,62% no ano

Combustíveis e alimentos impactaram o IPCA em novembro

Da Redação

redacao@amanha.com.br

Combustíveis e alimentos impactaram a inflação em novembro

A inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) acelerou para 1,01% em novembro, após alta de 0,82% em outubro, anunciou nesta quarta-feira (9) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em novembro do ano passado, o índice avançou 0,51%. A taxa é a maior para o mês desde 2002, quando o IPCA subiu 3,02%. Com o resultado, o índice oficial de inflação do país acumulou alta de 9,62% no ano, a maior para o período desde 2002 (10,22%), e de 10,48% em 12 meses, maior desde os 12 meses encerrados em novembro de 2003 (11,02%).

Os combustíveis lideraram a lista dos principais impactos na inflação pelo segundo mês consecutivo. O impacto foi de 0,21 ponto percentual da alta de 1,01% do IPCA. Já o grupo Alimentação e bebidas, que passou de elevação de 0,77% para 1,83%, representou mais 0,46 ponto percentual da taxa de novembro.  O IPCA mede a inflação para as famílias com rendimentos mensais entre um e 40 salários mínimos, que vivem nas regiões metropolitanas de Belém, Fortaleza, Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo, Curitiba, Porto Alegre, Vitória, Brasília, e nos municípios de Goiânia e Campo Grande.


leia também

Dilma diz que sofreu segundo golpe de Estado na vida - Ex-presidente afirmou que recorrerá contra o que chamou de “fraude”

A China fez o que o mercado queria - Corte de juros era algo esperado, mas ainda não é suficiente para ajudar na recuperação econômica, afirmam especialistas

A Coopercentral Aurora colhe frutos no exterior - A exportação fará a cooperativa obter alta de 15% nas vendas no ano

A estabilidade do funcionalismo público é mesmo necessária? - O tema é particularmente importante no contexto de ajuste fiscal, avalia Zeina Latif

A punição virá das gôndolas? - A tentativa de boicote às marcas do Grupo J&F

A responsabilidade do Congresso - O cuidado com os recursos públicos e o respeito à restrição orçamentária deveriam ser valores da casa, opina Zeina Latif

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: