Crise? Onde mesmo?

Dólar favorável à exportação, colheita recorde, clima propício ao plantio... A crise tem passado longe da Coamo

Por Leonardo Pujol

Unidade da Coamo

Ampliar e melhorar as condições de recebimento, armazenamento e distribuição de seus produtos – há tempos, essas são as prioridades estratégicas da Coamo. Com sede em Campo Mourão (PR), a maior cooperativa de produção da América Latina sabe que a eficiência logística é um fator crítico para a perpetuação de seus negócios. Por isso, grande parte de seus investimentos vem sendo focada nesses processos internos. Em agosto, por exemplo, a Coamo inaugurou uma unidade em Santa Maria do Oeste, na região central paranaense. A planta, que demandou um aporte de R$ 20 milhões, soma-se a outras 116 espalhadas entre o Paraná, Santa Catarina e o Mato Grosso do Sul.

Com uma receita líquida de mais de R$ 8,1 bilhões e lucro líquido perto de R$ 650 milhões em 2014 (veja tabelas a seguir), a Coamo colhe os resultados da expansão no número de associados – que cresceu 40% nos últimos dez anos, chegando a quase 30 mil. Com uma estrutura bem organizada e reforçando cada vez mais a sua marca dentro e fora do Brasil, a cooperativa não cogita outro cenário senão o da expansão contínua. “No Paraná e no Mato Grosso do Sul, não sentimos a crise. Estamos cumprindo o financiamento aos associados sem problemas”, destaca José Aroldo Gallassini, presidente da Coamo. No plano internacional também não existe indício de problema. “A desaceleração da China tem sido comentada, mas ainda não sentimos”, diz Galassini. Mas ele garante estar atento ao assunto: “Em algum momento, pode ser que nos afete.” 

Enquanto isso, com os recordes da última safra, os associados da Coamo só têm razões para comemorar. Para este ano, a meta da maior e mais rentável cooperativa de produção do sul do país é chegar a uma receita de R$ 10,1 bilhões. “Mas isso ainda é apenas uma projeção”, ressalta Galassini.


Maiores por Receita Líquida
Setor Classif. Geral Empresa/Grupo UF  Rec. Líq.*   Variação (%) 
1 12 Coamo - Agroindustrial Cooperativa PR                    8.155,61                          4,83
2 17 Coopercentral Aurora SC                    6.121,11                       19,29
3 25 C.Vale - Coop. Agroindustrial PR                    4.611,43                       12,10
4 36 Coop. Agroindustrial Lar PR                    3.019,96                       14,19
5 40 Cocamar - Cooperativa Agroindustrial PR                    2.744,35                          8,43
*Em R$ milhões  
Mais Rentáveis
Setor Classif. Geral Grupo/Empresa UF  Rent. Rec. Líq.(%)   Lucro Líq.* 
1 12 Coamo - Agroindustrial Cooperativa PR                               7,94                    647,70
2 17 Coopercentral Aurora SC                               6,83                    417,91
3 213 Coop Regional Auriverde SC                               5,95                       23,75
4 128 Cosuel - Coop. Suin. de Encantado RS                               5,90                       52,77
5 47 Cooperativa Agroindustrial Alfa SC                               5,13                       97,58
*Em R$ milhões

leia também

A China rural não existe mais - A mudança do modelo de crescimento econômico continuará elevando as demandas do país mais populoso do mundo

A transformação digital da agricultura - Tecnologia pode melhorar rendimento de produtores

A vida de uma organização exemplar - Como a Coamo virou um modelo de cooperativismo a ser seguido

Alimentando o mundo em desenvolvimento - Uma nova Revolução Verde dará conta da demanda?

Atuação em rede que produz melhores resultados - Para Luiz Vicente Suzin, presidente da Ocesc, a intercooperação dá independência ao sistema cooperativista

Coamo atinge faturamento de R$ 11,4 bilhões em 2016 - As sobras destinadas aos cooperados totalizam R$ 338,2 milhões

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: