Cavaletti: um negócio de família que virou referência

Conheça a história da empresa presente no livro 100 Marcas do RS

Cavaletti

Três valores acompanham a marca Cavaletti desde sua criação, em 1974: a qualidade, a inovação e o pioneirismo. Desde que abriu as portas, em um modesto portão, a empresa faz questão de honrar esses valores e princípios herdados da família Cavaletti, que serviram de impulso inicial ao investimento em profissionalização. O resultado desse esforço é inequívoco: hoje, a Cavaletti é referência no mercado moveleiro e líder na produção de cadeiras para escritório no Brasil – com mais de 2,5 mil unidades fabricadas a cada dia. 

Muito dessa conquista vem da perseverança da família fundadora, que soube trilhar os passos de um sonho aparentemente impossível. Tudo começou em Maximiliano de Almeida, um pequeno município nos arredores de Erechim, onde os irmãos Cavaletti cresceram. Eles são filhos de Líbera Bortoli Cavaletti e Pedro Mateus Cavaletti, descendentes de italianos com os quais aprenderam a ter empenho, fé e abnegação para superar os obstáculos – norteadores que permearam toda a trajetória da marca nestes 40 anos. A primeira sede da empresa foi em um porão alugado da família Albertoni, nos altos da Avenida Maurício Cardoso, com menos de 30 metros quadrados. 

A nova sociedade, chamada Estofaria Erechim, começou de forma humilde: contava com apenas uma máquina de costura simples (sem motor), um martelo, um alicate de estofador e grampeadeira simples. Todo o processo era executado de forma artesanal. Entre as atividades estavam reformas de sofás, poltronas e assentos de carros. Como não havia outro meio de transportar os móveis, eles eram carregados nas costas. Mário e Gilmar, os fundadores, não tinham sequer idade para serem empresários, mas desde cedo aprenderam a importância da excelência dos produtos, seguindo o conselho da mãe, Líbera: “Se é pra fazer algo que vá estragar logo, melhor não fazer”. Assim, uma simples costura exigia todo o esmero do mundo, com cada ponta da linha sendo amarrada para se manter firme – um cuidado que se tornaria parte da cultura compartilhada por todos que trabalham na Cavaletti.

Tudo pela satisfação do cliente

A preocupação com a qualidade e a satisfação do cliente sempre esteve presente na trajetória da marca Cavaletti. Inclusive nos momentos mais banais. Certa vez, Gilmar e Mário foram obrigados a subir nove andares de um prédio e atravessar um viaduto para buscar um sofá que teria o estofamento trocado. Na hora da entrega, tiveram de percorrer novamente o trajeto – desta vez, com o sofá pronto nas costas. Chegando lá, porém, a proprietária reclamou que as listras do encosto não combinavam com as do assento. Na verdade, tinham apenas meio centímetro de diferença. Mesmo assim, Gilmar e Mário refizeram o serviço e desceram e subiram diversos andares carregando – de novo – o sofá. 

Em 1979, Jair Cavaletti, então com 19 anos, uniu-se ao negócio. Àquela altura, a Cavaletti já contava com sete colaboradores – mas sua estrutura era, ainda, rudimentar. Toda a atividade era manual, desde o corte até a solda, costura, pintura e montagem. As dificuldades se tornaram ainda maiores quando a empresa começou a vender também para outros estados. Os desafios industriais e logísticos eram grandes, mas inspiraram um aumento da estrutura – que se redistribuiu em três pavilhões. A partir de 1994, a Estofaria Erechim passou a se chamar Cavaletti Estofados para Escritório Ltda. Posteriormente, adotaria o nome Cavaletti Cadeiras Profissionais. 

Um passo importante seria dado em 1996, na contratação do primeiro engenheiro mecânico, Jairo Roque Benincá, que permanece até hoje como diretor de Engenharia e Sistemas. Desde então, a Cavaletti passou a utilizar ferramentas específicas de engenharia, como os softwares AutoCAD, e foram criados equipamentos e máquinas que viabilizaram o aumento da produtividade. Atualmente, a empresa opera no mesmo nível de desenvolvimento tecnológico das maiores organizações do mundo. 

O nascimento de uma grande marca

Nos anos 2000, a Cavaletti já se posicionava entre as maiores fábricas de cadeiras para escritório do Brasil. O problema é que sua marca ainda era associada a uma empresa de pequeno porte. Como resolver esse equívoco? A solução veio em um amplo diagnóstico sobre o real status da marca junto a todos os públicos, com o objetivo de buscar uma tradução consistente, capaz de representar com precisão a empresa e seu estágio de desenvolvimento. O processo de reposicionamento durou quase dois anos, período em que foram identificados os valores centrais que deveriam constituir a base de ações da marca Cavaletti dali em diante. 

A partir da identificação do cenário e dos objetivos da organização, foi criado um novo posicionamento que sintetizava o jeito de ser da empresa no slogan Valor em fazer mais. Assim, foram desenvolvidas a nova marca e a identidade visual, expandida para todas as aplicações do universo Cavaletti. A nova marca foi oficialmente apresentada ao mercado em março de 2008. A solução gráfica final preservou o nome e a cor vermelha originais, organizando-os em uma forma geométrica pura e precisa com o objetivo de representar a consolidação da empresa, que hoje é uma das maiores fabricantes de cadeiras do Brasil. Acompanhando a nova marca, foi estipulada uma completa revisão de todas as expressões visuais da Cavaletti – de etiquetas e catálogos até os caminhões e uniformes da equipe, que foram gradualmente implantadas. A ordem era clara: reforçar a mensagem em todos os momentos de contato com colaboradores, parceiros, clientes e mercado.

Hoje, a Cavaletti ocupa um moderno parque fabril no Distrito Industrial Irany Jayme Farina, às margens da BR-153, em Erechim. A área física total é de 75 mil metros quadrados, sendo 27 mil destes de área construída. A estrutura abriga mais de 450 colaboradores em diversas áreas. A automação é um dos diferenciais da fábrica, mas não é o único: a fórmula de sucesso dos produtos Cavaletti vem justamente da união entre a vanguarda tecnológica e o investimento em qualificação de pessoas. Já o monitoramento da imagem da marca é feito com a ajuda de profissionais externos e consultorias, além de viagens de técnicos ao exterior – onde são mapeadas as tendências e práticas de mercados altamente exigentes como os da Europa, dos Estados Unidos e do Japão. 

A Cavaletti foi uma das primeiras empresas do país a adotar o sistema robotizado – hoje, são sete robôs de soldagem, do mesmo tipo que produzem automóveis de última geração. Todos os processos industriais são assistidos por um time de profissionais que garantem a conformidade de cada cadeira aos rigorosos padrões de qualidade exigidos pela ISO 9001, ISO 14001 e OHSAS 18001. 

A própria Cavaletti se encarrega da produção de componentes metálicos, plásticos, espumas e outros itens – que chegam a compor, em média, 95% de cada produto. Em seu portfólio de clientes estão multinacionais e grupos empresariais dos mais variados segmentos da economia. Além disso, a marca está presente nas 1,5 mil cadeiras dos camarotes VIP do renovado Estádio Mineirão, em Belo Horizonte – uma das 12 sedes da Copa do Mundo 2014. Provas de que a marca criada pela família Cavaletti ainda tem muito mais a conquistar.

leia também

A dádiva de servir à saúde - Conheça a Farmácias São João, um dos cases do livro “100 Marcas do Rio Grande”

As cidades com melhor (e o pior) saneamento no Sul - Municípios do Paraná, como Londrina, destacam-se no investimento e tratamento de água e esgoto na região

Autoridade em Plantio Direto - Conheça a Semeato, case do livro “100 Marcas do Rio Grande”

Banrisul lucra R$ 339,9 milhões no semestre - Provisões para recuperações judiciais diminuíram o resultado do banco

Baram: o triunfo da perseverança - Conheça a história da empresa presente no livro 100 Marcas do RS

Bertolini: do aço para a diversificação - Conheça a empresa, case do livro “100 Marcas do Rio Grande”

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: