Cooperativas do Paraná faturam R$ 56,5 bilhões

A projeção do setor é um crescimento próximo de 10% em 2016

Da Redação

redacao@amanha.com.br

Encontro Estadual de Cooperativistas Paranaenses

As 220 cooperativas paranaenses filiadas ao Sistema Ocepar devem alcançar movimentação econômica superior a R$ 56,5 bilhões em 2015 – um crescimento de 13% em relação ao valor obtido no ano passado. Os dados foram revelados na manhã desta quinta-feira (3) pelo presidente do Sistema Ocepar, João Paulo Koslovski, no Encontro Estadual de Cooperativistas Paranaenses (foto), realizado no Teatro Positivo, em Curitiba. “O cooperativismo paranaense continua acreditando que, com muito trabalho e profissionalismo, é possível crescer de forma consistente, mesmo num momento de dificuldade como este que o país está passando”, afirmou.  Ainda de acordo com ele, mesmo sendo expressivos, os resultados do setor foram afetados por uma série de fatores. “O custo elevado imputado aos produtos e serviços, somados aos encargos financeiros e à tributação, reduziram significativamente os ganhos do setor”, destacou.

Koslovski salientou que, ainda assim, as cooperativas continuam contribuindo para impulsionar a economia estadual, com forte geração de emprego e renda. “Estamos chegando à casa dos 1,3 milhão de cooperados, com nossas cooperativas gerando mais de 82 mil empregos diretos e 2,6 milhões de postos de trabalho. Mais de 3 milhões de paranaenses, ou seja, 30% da população do Estado, dependem diretamente hoje das ações do cooperativismo paranaense”.

Segundo o presidente do Sistema Ocepar, em mais de 100 municípios paranaenses as cooperativas são as maiores empresas, com grande peso econômico e social nessas localidades. “A participação ativa das cooperativas no desenvolvimento do Estado tem sido a marca de quem tem compromisso com as pessoas e com as comunidades onde atuam”, acrescentou. Ele lembrou ainda que o cooperativismo paranaense responde por 56% do Produto Interno Bruto agropecuário do Estado. 

Koslovski falou também sobre questões que estão impactando no setor produtivo. “Mesmo crescendo em percentuais acima do PIB brasileiro, há uma grande preocupação do cooperativismo quanto às deficiências estruturais existentes no Paraná e no Brasil, principalmente pela alta demanda por investimentos em portos, ferrovias, rodovias, estradas rurais, entre outras. Além disso, os custos exorbitantes do pedágio também têm penalizado a nossa competitividade, aliado a dificuldades inerentes à volta da inflação e baixo crescimento do país neste ano, exigindo cautela no planejamento para 2016.” A projeção inicial do setor é um crescimento próximo de 10% no próximo ano e a manutenção do nível de investimento em R$ 2,3 bilhões.

leia também

A China rural não existe mais - A mudança do modelo de crescimento econômico continuará elevando as demandas do país mais populoso do mundo

A transformação digital da agricultura - Tecnologia pode melhorar rendimento de produtores

A vida de uma organização exemplar - Como a Coamo virou um modelo de cooperativismo a ser seguido

Atuação em rede que produz melhores resultados - Para Luiz Vicente Suzin, presidente da Ocesc, a intercooperação dá independência ao sistema cooperativista

Coamo atinge faturamento de R$ 11,4 bilhões em 2016 - As sobras destinadas aos cooperados totalizam R$ 338,2 milhões

Coamo fatura R$ 10,7 bilhões em 2015 - A maior cooperativa do Sul cresceu 22%

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: