Receba 2016 sem peru ou lentilhas

Biba Retamozo e Vinícius Santiago sugerem pratos e vinhos doces para um Natal e Ano Novo (um pouco mais) ousados

Por Marcos Graciani

graciani@amanha.com.br

Miniquiches estão entre as opções de Natal na Maria Bolachinha

Natal e Ano Novo são sinônimos de peru e lentilha – e, naturalmente, chocolate. Porém, há maneiras de fugir do tradicional e inovar na hora de comemorar. Que tal fazer da Ceia um banquete gourmet e sem gastar muito mais para isso? A jornalista, cozinheira, padeira e confeiteira Biba Retamozo, proprietária da Casa das Bolachinhas, estabelecimento aberto em Porto Alegre desde o fim de setembro, lista algumas dicas saborosas para as datas festivas. “Não existe nada mais bacana do que ter milhares de belisquetes para dividir com a família e convidados nas festas de fim de ano”, conta. Entre as opções estão canapés frios, crostini, miniquiches (foto) e minissanduichinhos. Os sabores podem ser muito variados: alho-poró com gergelim, cogumelos frescos, presunto cru com queijo gruyère ou mesmo cebola caramelada glaceada ao vinho com gorgonzola (R$ 64 por 20 unidades de até dois tipos ou R$ 200 pelo cento de sabores diversos à escolha da chef).  

Caso você não abra mão do clássico, asse peru – ou pato, marreco ou ganso. Biba recomenda vários acompanhamentos para a ocasião. Couscous marroquino com azeite de manjericão e amêndoas e salada de grãos com mix de cogumelos são dois pratos que poderão alegrar qualquer comensal (R$ 84 pela porção de 500 gramas). “Um Concha y Toro Trio Chardonnay/Pinot Grigio/Pinot Blanc (R$ 45) ou mesmo o Adolfo Lona Brut Rosé (R$ 42) podem harmonizar muito bem”, sugere Biba. 

Para fugir do panetone, que tal experimentar pães natalinos? O Stollen, bolo tradicional de Natal com recheio de marzipan artesanal, ou a guirlanda de brioche, pão amanteigado recheado com calda de contreau e cascas cristalizadas de laranja (R$ 50, porção de 500 gramas), são apenas duas alternativas. "Um vinho de sobremesa que melhor harmonizaria aqui seria um botritizado, como o Sauternes (França), os Tokaji Aszú (Hungria) ou os Beerenauslese (Alemanha). Todos eles trazem notas de mel e frutas secas que combinam muito bem com esses pães doces”, aposta o sommelier Vinícius Santiago, que também é diretor de cursos e eventos do capítulo gaúcho da Associação Brasileira de Sommeliers (ABS-RS). 

Um dos princípios básicos para harmonizar vinhos doces com sobremesas, aliás, é optar por uma garrafa que tenha igual ou maior teor de açúcar do que a guloseima escolhida. Por essa razão, por exemplo, bolos de casamento não combinam em nada com os espumantes servidos aos convidados – o que torna a bebida praticamente um refrigerante. Mas como saber o teor de açúcar no vinho? “Basta buscar alguns termos no rótulo, como ´licoroso´, ´vinho de sobremesa´, ´late harvest´ ou ´colheita tardia´. Esses vinhos são doces e ideais para sobremesa. Outros clássicos são os vinhos do Porto e o Madeira, que vão especialmente bem com sobremesas a base de chocolate”, explica Santiago. 

Para combinar com vinhos de sobremesa, Biba enumera algumas delícias: torta clarianita (feita à base de angel cake com calda de espumante moscatel, recheio de ovos moles e de mousse de doce de leite artesanal com merenguinhos, nozes e cobertura de merengue italiano com crocantes almendrados), torta brownie (com camadas de brownie de castanhas do Pará com recheio de mousse de chocolate e cobertura de ganache com crocante de castanhas) ou Bûche de nöel (tradicional rocambole de Natal na França, com massa dacquoise de nozes, recheio de doce de leite artesanal e cobertura de ganache de chocolate belga meio amargo). Cada uma delas custa de R$ 120 (12 porções) até R$ 210 (25 porções). Para harmonizar, Santiago lista quatro opções: Aurora Colheita Tardia (R$ 21), Casa Valduga Tinto Licoroso (R$ 87), Taylor's Porto LBV (R$ 160) ou o Cossart Gordon Madeira Good Company Full Rich (R$ 145).

No lugar do tradicional bombom, Biba indica o Guri de Brownie (doce em formato de guri, com massa amanteigada de chocolate, castanhas do Pará e cobertura de chocolate meio amargo Barry Callebaut, R$ 25). Cá entre nós, fica bem com qualquer bebida.


leia também

Aprendizado pelos sentidos - Formação na área de vinhos da CIAS Innovation no Brasil começará pelo Sul

Bento Gonçalves anuncia projeto para fomentar turismo de incentivo - Capital Nacional do Vinho lança guia de atividades para empresas que desejam bonificar funcionários com viagens

Cozinheiro, por que não? - Ambição dos candidatos a chef reflete nossa falta de certezas profissionais

Detentos ganham curso de sommelier na Itália - A ideia foi promovida pela AIS, Borgo San Nicola e a vinícola Feudi di Guagnano

Enfrente os desafios de 2017 - Perceba onde podem estar os maiores problemas e comece a pensar em como superá-los

Gastronomia e resistência - Mexer com o significado dos alimentos diante dos povos é cutucar fera com vara curta

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: