Nem a crise afasta a Weg do crescimento

Empresa amplia investimentos no exterior e reforça o mix de produtos

Por Robson Pandolfi

Unidade da Weg

Poucas empresas se mantêm tão bem protegidas contra as oscilações bruscas do câmbio quanto a Weg. Primeiro, porque seu mix de produtos é amplo e diversificado – atende clientes em setores como petróleo, mineração, geração de energia e até celulose e papel. Segundo, porque a companhia catarinense é uma das mais internacionalizadas do Brasil. Assim, consegue compensar eventuais desequilíbrios na economia dentro ou fora do país. Em 2014, por exemplo, a receita líquida da Weg avançou 14,8% e chegou a R$ 7,8 bilhões (veja tabelas a seguir. Os dados fazem parte do ranking 500 MAIORES DO SUL). Exatamente metade desse montante teve origem no exterior. “É o modelo de negócios diversificado que nos permite repetir taxas consistentes ao longo do tempo”, confirma Paulo Polezi, diretor de finanças e relações com investidores do Grupo Weg. 

Internamente, os bons resultados têm sido garantidos pelo segmento de geração, transmissão e distribuição de energia (GTD) – o destaque é a estreia da empresa na área eólica. Lá fora, as aquisições e projetos de expansão dos últimos anos vêm dando resultado. Agora, a aposta está nas operações localizadas na China e no México, além de Portugal. A previsão de investimentos na fábrica chinesa é de US$ 135 milhões até 2019. Já a unidade mexicana receberá outros US$ 210 milhões no mesmo período. A companhia pretende investir 15 milhões de euros na construção de uma unidade de motores elétricos em Santo Tirso, em Portugal. Com isso, a Weg pretende quadruplicar a capacidade das duas plantas nos próximos quatro anos.

A Weg também estuda a abertura de novos mercados e a expansão de seu portfólio – de maneira orgânica ou por meio de aquisições e parcerias estratégicas. O mais recente passo na direção desse objetivo foi dado em setembro, com a aquisição da espanhola Autrial S. L, fabricante de painéis elétricos. “O projeto é elevar para 25% a nossa produção originada fora do país”, informa Polezi. Ser multinacional tem suas vantagens.


Maiores por Receita Líquida
Setor Classif. Geral Empresa/Grupo UF  Receita Líq.*   Var. (%) 
1 8 Grupo Weg SC                     7.840,76                14,82
2 78 Thyssenkrupp Elevadores S/A RS                     1.234,50                17,24
3 112 Schulz e Controlada SC                        733,66                (9,70)
4 156 Stara RS                        638,74             (25,19)
5 150 Stemac S/A Participações RS                        619,22                  2,11
*Em R$ milhões
Mais Rentáveis
Setor Classif. Geral Grupo/Empresa UF  Rent. Rec. Líq. (%)   Lucro Líq.* 
1 188 Brasilsat Ltda PR                           17,56                37,77
2 78 Thyssenkrupp Elevadores S/A RS                           15,04             185,68
3 8 Grupo WEG SC                           12,27             962,32
4 317 Franklin Electric Ind. de Motobombas S/A SC                           11,12                19,94
5 375 Silmaq S/A SC                             9,05                  9,25
*Em R$ milhões

leia também

500 MAIORES DO SUL reúne companhias da região - Festa de premiação de AMANHÃ e PwC congregou líderes empresariais

Apesar da retração, Schulz conquista lucro - Empresa acumulou ganho de R$ 48 mi em 2015

As empresas que perderam mais de R$ 1 bi na bolsa - Klabin, Braskem e Weg estão na lista da Economatica, com base em junho

As grandes tacadas da Weg no Brasil e no exterior - Empresa catarinense encontra novas oportunidades de negócio

As sandálias sempre novas da Grendene - Produtos lançados no último ano são responsáveis por 90% da receita

Banrisul alcança lucro de R$ 796 milhões até setembro - Valor é 48% maior em relação ao registrado no mesmo período de 2017

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: