Sementes da liderança

Com uma bateria de investimentos em setores estratégicos, a Bunge cresce no Brasil

Por Leonardo Pujol

Unidade da Bunge

O investimento mais agressivo da Bunge nos últimos anos foi realizado em agosto deste ano, no auge da crise política e financeira que assola o país: a aquisição do Moinho Pacífico, um dos principais processadores de trigo do país. Localizada no porto de Santos, a planta tem capacidade para processar 700 mil toneladas de trigo por ano – e ainda detém um armazém que comporta 200 mil toneladas, além de um berço de atracação para desembarque do cereal importado. “O trigo está no DNA da Bunge. É uma das nossas prioridades no Brasil e no mundo”, justifica Martus Tavares, vice-presidente de assuntos corporativos da empresa. A aquisição reforça uma estratégia iniciada no ano passado, com a construção de uma processadora de farinha de trigo em Duque de Caxias (RJ), um investimento de R$ 500 milhões.

O Brasil é uma peça valiosa no tabuleiro estratégico da Bunge. Ao todo, a subsidiária brasileira detém metade dos ativos da companhia no mundo – e tem sido fundamental em um processo de reestruturação iniciado em 2010. Só em 2014, o Brasil rendeu à empresa uma receita líquida de R$ 34 bilhões, suficientes para desbancar a BRF na liderança do setor de Alimentos e Bebidas, segundo o ranking 500 MAIORES DO SUL. O próximo passo é alavancar a rentabilidade: hoje, a Bunge sequer aparece entre as cinco empresas mais lucrativas do setor. 

Tavares acredita que os resultados virão com a maturação dos investimentos, especialmente nas áreas de agronegócio, alimentos e ingredientes. “São o nosso core business. Continuaremos investindo para crescer”. A companhia também aposta no complexo portuário Miritituba-Barcarena, no Pará. Inaugurado no ano passado, o empreendimento de R$ 700 milhões possibilitou a abertura de uma nova rota de exportação de grãos, multiplicando oportunidades no mercado exportador.


Setor Classif. Geral Empresa/Grupo UF  Rec. Líq.*   Var. (%) 
1 3 Bunge Alimentos SC                  34.084,32                 2,86
2 2 BRF Brasil Foods SC                  29.006,84                 4,39
3 44 Vonpar S/A RS                    1.989,96               14,98
4 69 Oleoplan S/A RS                    1.382,72               13,48
5 76 Gonçalves & Tortola S/A (Frangos Canção) PR                    1.297,30               13,92
*Em R$ milhões
Mais Rentáveis
Setor Classif. Geral Grupo/Empresa UF  Rent. Rec. Líq. (%)   Lucro Líq.* 
1 178 Baldo S/A RS                         18,91               59,58
2 270 Cooperativa Vinícola Aurora Ltda RS                         12,54               30,24
3 496 K&S Alimentos S/A PR                           9,97               10,49
4 420 Distribuidora de Águas Triunfo S/A RS                           8,72                 5,76
5 373 Bebidas Fruki S/A RS                           8,29               14,33
*Em R$ milhões

leia também

A Cetip é a ação de dividendos mais indicada para compra - Cinco corretoras recomendam o papel da empresa do setor financeiro

A Coopercentral Aurora colhe frutos no exterior - A exportação fará a cooperativa obter alta de 15% nas vendas no ano

Ações da Petrobras fecham abaixo de R$ 5 pela primeira vez em 13 anos - O Ibovespa encerrou o dia no menor nível desde março de 2009, no auge da crise do crédito imobiliário nos EUA

Agora é hora de comprar ações de mineradoras - Morgan Stanley também aposta em papéis de mercados emergentes

Agora quem não quer sou eu - E quando a empresa pisa na bola e compromete a imagem da celebridade que a endossa?

Alexandre Almeida comandará a BRF no Brasil - Companhia catarinense também anunciou outras mudanças

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: