Citi Corretora recomenda compra de ações da BRF

Abertura do Oriente Médio para carne brasileira gera oportunidades

Por Infomoney

Abertura do Oriente Médio para carne brasileira gera oportunidade para a Brasil Foods

A Citi Corretora reiterou a recomendação de compra para as ações da Brasil Foods (foto). Os analistas mantiveram o preço-alvo de R$ 83, representando assim um upside de 49,5% com base no fechamento de quarta-feira (18). “A administração da BRF ressaltou [na conferência dos resultados] que as exportações, principalmente no Oriente Médio, representam a maior oportunidade de crescimento para a companhia, o que reforça nossa estimativa de margens mais altas”, revela a Citi em relatório.  

Com base nos resultados, a Brasil Foods afirma que o desafio de reduzir a volatilidade das margens foi alcançado. Após o nível recorde no terceiro trimestre deste ano, o mais alto já visto para o período, a corretora prevê um quarto trimestre também positivo. “O cenário no Oriente Médio parece, em nossa opinião, alinhado em dois dígitos”, escrevem os analistas.

No Brasil, a administração da companhia catarinense afirmou que espera expansão de margens no médio prazo, vindo mais de inovações e redução de custos do que de preços. A justificativa dada para o baixo nível de inovação foi que o grande foco da BRF ficou com o relançamento da marca Perdigão. As despesas gerais e administrativas (SG&A, na sigla em inglês) devem cair e processos de automação e racionalização ajudarão a reduzir os custos fixos de produção.

A Brasil Foods destacou ainda que o terceiro trimestre deste ano foi o primeiro em que não houve aumento de preços acima da inflação de custos (grãos), muito por conta do relançamento da Perdigão. Contudo, aumentos de preços no mercado doméstico estarão presentes no quarto trimestre em categorias não-prioritárias, onde a BRF tem grande participação de mercado. No entanto, se aguardam aumentos mais abrangentes até março do próximo ano com efeito total no segundo trimestre. 


leia também

Agora quem não quer sou eu - E quando a empresa pisa na bola e compromete a imagem da celebridade que a endossa?

Alexandre Almeida comandará a BRF no Brasil - Companhia catarinense também anunciou outras mudanças

Brasil Foods cria subsidiária para mercados muçulmanos - A Sadia Halal poderá atuar em países ainda não atendidos pela empresa

Brasil Foods investe US$ 16 milhões na Malásia - Companhia quer expandir presença no sudeste asiático

Brasil Foods, a queridinha dos fundos de investimento - Empresa catarinense atrai 75% do total aportado no setor de alimentos

Brasil pode perder até R$ 2 bi por escândalo da carne - AEB leva em conta a redução de preços e a perda de mercado

comentarios




Mario Andrade

Aumento de 49%?? Isso é coisa de relações públicas da BRF... Depois de perder 20% em um mês, manter preços baixos pra brigar por market share com a JBS e exportar menos? Sem falar no endividamento em moeda estrangeira que com o cÃmbio atual aumenta o custo de capital... Boa sorte aos investidores (ou especuladores?)!!

Comentar

Adicione um comentário: