As sandálias sempre novas da Grendene

Produtos lançados no último ano são responsáveis por 90% da receita

Por Leonardo Pujol

Estande da Grendene

Não é por acaso que a Grendene vem se perpetuando no posto de maior e mais rentável calçadista da região Sul. Com capacidade instalada para produzir até 250 milhões de pares por ano, a empresa de Farroupilha (RS) conta com uma linha de produtos maleável, capaz de responder rapidamente aos suspiros da moda sem deixar de lado a demanda por sapatos, tênis e sandálias mais tradicionais.

Na sede da Grendene, um grupo formado por cerca de 100 designers e trendhunters costuma criar, em média, três novos produtos a cada dia. O princípio que rege o trabalho é o da transformação permanente: o consumidor de 2015 pode não ter mais as mesmas preferências daquele de 2014. Essa ousadia se reflete nos números: mais de 90% da receita líquida da empresa provém de lançamentos. Só os calçados criados em 2014, por exemplo, renderam uma receita líquida de R$ 1,9 bilhão naquele mesmo ano. “As empresas normalmente lançam produtos que esperam vender durante uma ou duas décadas, como se o consumidor fosse sandálias sempre novas sempre o mesmo”, analisa Francisco Schmitt, diretor de relações com investidores.

Até o final de 2015, a empresa pretende investir cerca de R$ 60 milhões em novos projetos, o equivalente a 12% do lucro líquido de 2014 – que foi de R$ 485 milhões. Na questão geográfica, a Grendene também se destaca. A companhia lidera as exportações brasileiras de calçados, com 40% dos embarques. “Vendemos para mais de 100 países e pretendemos continuar procurando novos mercados”, garante Schmitt. A julgar pelos recentes resultados, mais uma vez a Grendene terá um ano a ser comemorado. Até setembro, a companhia acumulou lucro líquido de R$ 357,1 milhões, alta de 21,1% em comparação ao ano passado.

leia também

A recuperação judicial sob o viés do investidor - Palestra em Porto Alegre nesta sexta-feira (16) tem inscrições gratuitas

A responsabilidade da gestão é ainda maior na saúde - Para Pizzato, da Unimed POA, zika é reflexo de falta de planejamento

A superação de crise das empresas requer uma equipe - Para Telmo Schoeler, o grupo deve elaborar plano de ações corretivas

A vez da inteligência na cadeia de suprimentos - A rentabilidade pode até aumentar – mesmo em tempos de crise

Abicalçados vê recuperação gradual para o setor em 2017 - Estabilidade política e o potencial da economia motivam projeção

Apesar da retração, Schulz conquista lucro - Empresa acumulou ganho de R$ 48 mi em 2015

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: