Protesto de caminhoneiros diminui nas estradas

Retração ocorreu após anúncio do governo de aumentar as multas

Por Agência Brasil

Paralisação de caminhoneiros contra o governo Dilma Rousseff
Após o anúncio do governo federal de aumentar as multas para quem fizer interdições em rodovias, três bloqueios de caminhoneiros ocorreram nesta quinta-feira (12), de acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF). Duas paralisações parciais, no quilômetro 242 da BR-153 em Colina dos Tocantis (TO) e na BR-472 em Santa Rosa (RS), foram reportadas no boletim das 16 h da PRF. No início da tarde, a BR-267, em Maracaju (MS), foi parcialmente interditada.

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, anunciou na quarta o aumento de multas para quem fizer interdições de rodovias e organizar manifestações. Nas medidas anunciadas, ele também determinou o reforço de segurança da Força Nacional de Segurança Pública. A medida provisória altera o Código Nacional de Trânsito e estabelece uma multa de R$ 5.746 para quem deliberadamente interromper, restringir ou perturbar a circulação de vias e de R$ 19.154 para quem organizar as manifestações. Em caso de reincidência, o valor cobrado será o dobro. Atualmente, a multa é R$ 1.915. Além da multa, haverá a suspensão de dirigir por 12 meses, a apreensão e a remoção do veículo e o recolhimento do documento de veículo.

"A partir de hoje no Rio Grande do Sul e em outros estados, as paralisações ficarão mais fortes", declarou Fabio Luiz Roque, um dos integrantes do Comando Nacional do Transporte na página do Facebook.

leia também

A deficiência que a crise esconde - A profissão de caminhoneiro não desperta o interesse de jovens – e isso pode causar um novo apagão rodoviário

Fiergs: legislação trabalhista precisa ser modernizada - Entidade defende que negociação deve ser valorizada

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: