A estabilidade do funcionalismo público é mesmo necessária?

O tema é particularmente importante no contexto de ajuste fiscal, avalia Zeina Latif

Por Zeina Latif*

Zeina Latif, economista-chefe da XP Investimentos

O debate brasileiro evoluiu e hoje há um maior reconhecimento da necessidade de equilibrar as contas públicas. Também há maior consenso que é necessário eliminar mecanismos e regras que fazem os gastos subirem de forma automática. Segundo Mansueto Almeida, 75% dos gastos primários são corrigidos pelo PIB ou pela inflação passada. Ainda que em muitos casos seja meritório procurar preservar certas políticas públicas das deliberações orçamentárias anuais, a generalização de mecanismos de vinculação não parece nem uma decisão sábia nem compatível com nossas instituições democráticas. Aumentar a transparência e a discussão democrática das políticas seria mais adequado.

A rigidez do orçamento impede que os poderes eleitos façam ajustes periódicos nas prioridades da política pública, que mudam conforme as necessidades da sociedade. Atualmente, por exemplo, precisamos nos preparar para o envelhecimento da população e o crescente gasto com a previdência social. Para agravar o quadro, a falta de flexibilidade do orçamento piora a alocação de recursos públicos.

A falta de flexibilidade do orçamento envolve também a folha de pagamentos. Um tema que merece reflexão é a estabilidade do funcionalismo público, algo previsto na Constituição. A permanência tem como finalidade blindar o servidor de pressões políticas e permitir a continuidade do serviço a cada troca de governo. Por esse aspecto, é necessário manter um núcleo do funcionalismo com estabilidade, mas bem preparado, com metas e plano de carreira. Nos demais casos, poderia haver flexibilização da estabilidade.

O foco do serviço público deve ser o cidadão e a qualidade dos serviços públicos – e não o servidor. A boa gestão requer concorrência e meritocracia, com adoção das melhores práticas e o devido reconhecimento aos melhores gestores públicos. Caso contrário, se compromete a qualidade da política pública resultando em um estado caro e ineficiente. Rigorosamente, a estabilidade pode ser rompida em casos de infrações puníveis com demissão.

No nível federal, a lei prevê a demissão em caso de sentença judicial em que não há possibilidade de recurso, processo administrativo com ampla defesa e insuficiência de desempenho com base em avaliação periódica. Mas os dados sugerem que há algo errado. As punições no poder executivo federal, segundo a Controladoria Geral da União (CGU), totalizaram 4.537 nos últimos dez anos, o que equivale a apenas 0,8% do quadro do de estatutários. Quase nada.

A lei não parece adequadamente aplicada e faltam mecanismos de avaliação. Levantamento do Tribunal de Contas da União (TCU) em 2013 sobre governança e gestão de pessoas releva que o desafio é grande, pois mais da metade (55,4%) dos órgãos que participaram da pesquisa afirmam que ainda estão em estágio inicial de gestão de pessoas. Além disso, muitas vezes o poder judiciário dá ganho de causa ao funcionário, forçando o poder público a reverter a decisão. Outra possibilidade de demissão é para enquadramento à Lei de Responsabilidade Fiscal, que estabelece limite para despesa com pessoal em 50% da receita corrente líquida para o governo federal (37,9% para o Executivo) e de 60% para estados e municípios (49% e 54% para o Executivo, respectivamente). Nesse caso, devem ser esgotadas outras possibilidades de solução. Esse seria o último recurso a ser adotado em uma situação excepcionalíssima. Em outras palavras, nunca ocorre.

Visando maior flexibilidade no serviço público, na OCDE, as regras do funcionalismo mudaram significativamente desde o final da década de 1980. Em alguns países, a estabilidade foi abolida. Em outros, foi mantida, mas não garantida, a depender do desempenho do funcionário. Também há contratos temporários e trabalhadores comissionados. A legislação está ficando mais flexível e contratos temporários têm prevalecido nas novas contratações. Avança-se também no monitoramento da performance individual na maioria dos países da OCDE, principalmente nos funcionários seniores, com vinculação à remuneração. Dois terços dos países aplicam este sistema ou estão em vias de fazê-lo. Os mais avançados são Coreia, Dinamarca, Nova Zelândia, Finlândia, Reino Unido e Suíça.

Estudo recente do Ipea mostra que há crescente profissionalização dos quadros que ocupam cargos de confiança na administração federal. Segundo o autor da pesquisa, Felix Lopez, indicações políticas podem ser relevantes, mas não são a principal motivação para as nomeações. Vale mencionar que, segundo a Rais, a proporção entre CLT e estatuários (concursados) no setor público tem se mantido constante ao longo do tempo (em torno de 10%) não havendo crescimento relevante nos últimos anos.

O tema da estabilidade é particularmente importante no contexto de ajuste fiscal, não apenas no nível federal. A crise fiscal atual revela que muitos governos locais enfrentam dificuldades extremas até para pagar a folha. Dados relativos ao primeiro quadrimestre deste ano mostram que seis estados – Mato Grosso, Tocantins, Rio Grande do Norte, Alagoas e Santa Catarina – já atingiram ou ultrapassaram o limite máximo de gastos com funcionalismo estabelecido pela Lei de Responsabilidade Fiscal (49% da receita corrente líquida). Dois estão muito próximos disso (Pernambuco e Sergipe) estando no grupo com indicador acima do limite prudencial (45,5%), juntamente com Rio Grande do Sul, Amazonas e Distrito Federal. Outros 12 estão acima do limite de alerta (44%). Apenas quatro estados estão na zona de conforto: Rio de Janeiro, Amazonas, Maranhão e Rondônia. Isso significa que 23 dos 27 governadores estão sob ameaça de enquadramento imediato ou futuro nas regras da LRF. E o quadro tende a agravar devido às quedas sucessivas na arrecadação em termos reais. A legislação exige a tomada de medidas para reequilibrar as contas. Quem não o fizer estará sujeito até a pena de reclusão, em caso de condenação judicial.

Agravantes não faltam. O salário médio do funcionalismo é 60% superior aos dos empregos com carteira no setor privado, segundo a Rais. No entanto, é importante ponderar que o funcionalismo público é mais qualificado que a média no setor privado, o que implica maior remuneração. Mais da metade (53%) dos funcionários públicos da administração direta (84% do funcionalismo) têm ensino superior ou pós-graduação, segundo levantamento do IBGE de 2012. Na população total acima de 25 anos, apenas 11% têm ensino superior e 25% cursaram o médio. No entanto, chama a atenção o aumento do salário médio nominal no funcionalismo: média de 9,4% ao ano entre 2002 e 2014 contra 8,4% no setor privado.

Enquanto isso, aumentam as contratações. Entre 2002 e 2014, o quadro do funcionalismo público cresceu 37,8%, uma taxa média de 2,7% ao ano. A cifra é elevada tendo em vista a crescente terceirização de serviços como segurança, limpeza, transporte, informática, manutenção etc. Segundo a CGU, entre 2009 e 2013, as despesas do poder executivo federal com empresas terceirizadas de limpeza, conservação predial e vigilância aumentaram, em média, 18,4% ao ano, totalizando R$ 6,3 bilhões em 2013.

A idade média avançada do funcionário público é um ponto importante. Segundo o TCU, a maior concentração no poder executivo federal está na faixa de 46 a 60 anos. Novas contratações virão em breve. Que sejam discutidas mudanças nas regras de contratação, havendo maior participação de comissionados e flexibilização da estabilidade. O gestor público precisa ter maior flexibilidade na administração dos recursos humanos e da folha de pagamentos. É crucial introduzir meritocracia, concorrência e governança no serviço público. Premiar o desempenho e a excelência é um estímulo à qualificação. E deveriam ser implantados sistemas de verificação do desempenho dos servidores em suas funções ou cargos.

Pode-se também considerar a maior participação de comissionados em cargos em que não há risco de descontinuidade, mas com critérios para indicação. Antes de tudo isso, em relação à estabilidade do funcionalismo público, poderíamos começar cumprindo a lei.

*Economista-chefe da XP Investimentos.

leia também

Dilma diz que sofreu segundo golpe de Estado na vida - Ex-presidente afirmou que recorrerá contra o que chamou de “fraude”

A China fez o que o mercado queria - Corte de juros era algo esperado, mas ainda não é suficiente para ajudar na recuperação econômica, afirmam especialistas

A responsabilidade do Congresso - O cuidado com os recursos públicos e o respeito à restrição orçamentária deveriam ser valores da casa, opina Zeina Latif

A superfície e as profundezas da economia - Retomada poderá ser difícil dada a situação financeira empresarial

Acionista da Ambev deve comemorar ajuste fiscal - Uma medida específica pode trazer valorização das ações da cervejaria

comentarios




George

Além de todos os elementos abordados no textos, há que se considerar que não há mais motivos reais para a manutenção dessa estabilidade, pois o devido regramento coibiria os abusos. O peso do Estado é um encargo ao desenvolvimento do Brasil.

Sérgio Ruzza

Não podemos esquecer do impacto que esse quadro de funcionários estabilizados provocam com sua aposentadoria.

Tattiana Salles

A maior parte dos mecanismos de modernização da administração pública já foram introduzidas na época de FHC na gestão de Bresser Pereira. A estabilidade já foi flexibilizada na Constituição de 1988 e agora só falta regulamentação e vontade política de fazer cumprir a lei a despeito da gritaria do funcionalismo.

Comentar

Adicione um comentário: