Crise? Onde mesmo?

Na contramão da economia, cooperativa vinícola Garibaldi deve faturar 17% a mais neste ano

Por Marcos Graciani, de Garibaldi (RS)

graciani@amanha.com.br

Linha de produção da Vinícola Garibaldi, em Garibaldi (RS)

Enquanto a economia nacional patina com previsão de regressão do PIB em até 3%, há empresas que vivem em um verdadeiro paraíso. É o caso da cooperativa vinícola Garibaldi que deve faturar R$ 103,5 milhões – valor 17% maior do que em 2014. As vendas devem dar um salto de 28%, fato que ajuda a colocar a companhia fora do círculo vicioso das más notícias econômicas. "A crise está aí para quem quiser participar dela e não é o nosso caso. A recessão, ao contrário, tem auxiliado o setor vitivinícola por causa do aumento considerável de turistas que trocaram as viagens para o exterior por passeios no interior do Brasil", conta Maiquel Vignatti, gerente de marketing da Garibaldi. A cooperativa deve receber cerca de 70 mil visitantes – 15 mil a mais do que no ano passado.

Além das instalações atuais, os turistas têm a oportunidade de conhecer instrumentos de trabalho antigos como uma prensa ou mesmo o bigunço [espécie de cesto para colheita de uvas que era puxado por cavalos]. A partir de 2016 os objetos ganharão um museu próprio dentro da vinícola. Outra razão do incremento de visitas é o novo varejo, inaugurado há um ano. O Complexo Turístico recebeu investimento de R$ 1 milhão. A infraestrutura conta com ampliação da área do varejo, onde são comercializados os produtos elaborados pela vinícola, além de acessórios para vinhos e espumantes, novos ambientes e salas de degustações, adega para venda de vinhos finos e espaço multiuso. Outro destaque do local é a Cave Acordes, um espaço montado dentro de uma pipa de vinho de 100 mil litros, onde ocorrem ações especiais. Depois da remodelação da loja, o ticket médio praticamente dobrou de R$ 28 para R$ 50. A unidade deve comercializar neste ano cerca de R$ 3,5 milhões.  Atualmente, a grande maioria dos turistas é proveniente de cidades do Rio Grande do Sul, com destaques também para os estados de São Paulo, Santa Catarina, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Ceará. O complexo funciona 360 dias do ano, com exceção dos feriados de Sexta-Feira Santa, Dia do Trabalhador, Finados, Natal e Ano Novo, de segunda a sábado, das 9h às 17h, e domingos e feriados, das 10h às 16h.

Uma das estratégias da Garibaldi para manter o equilíbrio das contas mesmo em períodos de intempérie é a gama de produtos variados assim como a oferta de terceirização de suas instalações para outras vinícolas de médio e pequeno portes. O portfólio conta com 70 itens de 12 marcas. É possível encontrar desde vinhos básicos como o Bartolo (R$ 8) até a linha Acordes cujo vinho tinto é vendido por R$ 100 (leia mais detalhes a seguir). Atualmente, quase metade da receita (44%) se deve a um único produto: o suco de uva. Espumantes respondem por 15% do faturamento e os vinhos finos por 7%. "A busca por alimentos saudáveis está fazendo com que o consumidor busque produtos naturais como o suco de uva integral", explica Vignatti dando conta que a Garibaldi foi a primeira do país a vender o produto em embalagem Tetra Pak. A vinícola também faz questão de utilizar o personagem Vavú, criado pelo Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin) para promover a bebida no mercado brasileiro.

A cooperativa também produz bebidas para outras 32 empresas. Um dos mais recentes trabalhos foi desenvolvido para a companhia gaúcha Vinetage. A Garibaldi produziu e engarrafou 5 mil caixas do espumante Bee, feito à base de Chardonnay, para o público LGBT. No entanto, se cercar de muitas frentes não foi o suficiente para a crise passar totalmente ao largo da empresa. A Garibaldi previa investir R$ 10 milhões na renovação e na ampliação de sua planta industrial até 2017 - R$ 4 milhões apenas neste ano. Porém, o aporte foi postergado para 2016 e todas as obras devem terminar em 2018.

Uma medalha por semana
Em 2014, a Garibaldi foi contemplada com nada que 52 premiações, praticamente uma por semana. A contar pelo ritmo de 2015, o recorde pode ser até batido. De janeiro a outubro, a vinícola recebeu 40 importantes distinções e prêmios no Brasil e mundo afora. As conquistas mais recentes vieram do Concurso do Espumante Fino Brasileiro, no último dia 19 de outubro. Foram premiados com Medalhas de Ouro os espumantes Garibaldi Chardonnay, Garibaldi Prosecco, Garibaldi Moscatel Rosé e Giuseppe Garibaldi Extra-Brut. O prêmio Destaque Manoel Peterlongo, distinção concedida a espumantes que sobressaíram em suas categorias, foi entregue a cinco empresas. A Garibaldi recebeu a medalha na categoria Brut Método Charmat, pelo produto Garibaldi Espumante Chardonnay.

Dois espumantes da Garibaldi figuram na lista dos 100 melhores vinhos do mundo, elaborada anualmente pela Associação Mundial de Jornalistas e Escritores de Vinhos e Licores (WAWWJ). O ranking 2015 foi divulgado em julho e é construído tendo por base a importância relativa e a posição de cada rótulo dentro dos principais concursos. O Prosecco Brut aparece no Top 10, ocupando a nona colocação. Elaborado pelo processo Charmat, apresenta uma coloração brilhante com tons em amarelo palha e reflexos esverdeados. Seu perlage forma borbulhas finas e intensas. Seu aroma frutado lembra frutas brancas, como pêra e marmelo, com um agradável toque de limão. É jovem e delicado. Seu equilíbrio mescla suavidade e frescor; tornando-o delicado ao paladar, com um final de boca lembrando abacaxi. É ideal para uma happy hour e vai muito bem em coquetéis, festas de casamento e comemorações em geral.

O Garibaldi Moscatel é o único brasileiro a figurar por três anos consecutivos na lista dos 100 melhores. Multipremiado, é uma perfeita combinação de uvas Moscato Branco e Moscato Giallo. Elaborado através do processo Asti, apresenta uma coloração límpida e atraente e aroma que lembra frutas, flores e perceptível toque de mel. Entre as 17 empresas que participaram da 13ª edição da Seleção dos Melhores Vinhos, Espumantes e Sucos de Garibaldi, a Cooperativa Vinícola Garibaldi sagrou-se campeã, com 10 premiações recebidas. As distinções foram entregues no mês de agosto, em jantar promovido pela Associação dos Vinicultores de Garibaldi (Aviga). Foram agraciados com a medalha de Ouro os rótulos Chalet du Clermont Chardonnay 2015, Granja União Tannat 2015, Granja União Tannat 2014, Granja União Cabernet Sauvignon 2014, Espumante Garibaldi Moscatel Rosé e Suco de Uva da Casa Orgânico. A Garibaldi foi destaque também na Avaliação Nacional de Vinhos, tendo um produto entre os 16 mais bem colocados: o vinho Ancelotta 2015, na categoria tinto seco fino. Além dele, dois outros vinhos da cooperativa figuraram entre os 30% mais representativos, um base para espumante da variedade Chardonnay e um branco seco fino também da variedade Chardonnay.

Acordes
Em 2013, a vinícola lançou a linha Super Premium Acordes.  São três rótulos. Baseado em metodologias francesas, o espumante Garibaldi Acordes Brut Tradicional (70% Chardonnay e 30% Pinot Noir, R$ 85) denota uma coloração amarelo palha com reflexos dourados e apresenta um ótimo desprendimento de perlage, formando borbulhas finas e numerosas. No olfato apresenta uma delicada mistura de frutas secas como damasco e amêndoas, com notas de torrefação. Na boca revela-se cremoso e estruturado, com boa acidez e ótima persistência. Sua cremosidade permite que o mesmo seja servido em companhia de pratos estruturados e condimentados, carnes de caça, risotos, queijos e massas com os mais variados complementos.

O Garibaldi Acordes Chardonnay (safra 2012, R$ 90) é o primeiro vinho branco ícone da Garibaldi. Apresenta-se límpido, com boa tonalidade de cor que vai do amarelo-esverdeado ao palha. No aroma lembra abacaxi em calda, fruta cítrica, baunilha e manteiga. Na boca revela média intensidade, boa untuosidade e ótima cremosidade, com ótimo equilíbrio e retrogosto prolongado. Sua boa composição alcoólica permite combinações com aves, peixes condimentados ou grelhados, peixes gordurosos, massas com molhos vermelhos e molhos a base de cogumelos e nozes. Acompanha também queijos duros e maduros como o grana padano ou gouda maduro.

Conhecida como casta emblemática do Vale dos Vinhedos e elaborado apenas em safras especiais, o Garibaldi Acordes Merlot (safra 2011, R$ 100) apresenta uma coloração vermelha rubi intensa com traços violáceos e uma alta intensidade aromática, com expressivo caráter varietal, lembrando fruta de cereja e notas de carvalho como caramelo, cacau, café, baunilha. Apresenta um ótimo volume em boca, uma sensação de untuosidade que denota bem seu corpo, com taninos agradáveis e maduros e uma persistência marcante no final-de-boca. Combina muito bem com pratos de textura rica e de aromas intensos e complexos. Como: Pato assado ao tamarindo, risoto de funghi, avestruz ao molho de mostarda. Vai muito bem com carnes vermelhas assadas e grelhadas. Os queijos ideais são os queijos maduros de massa dura, tipo parmesão, pecorino e grana padano.


leia também

A Disney do Leste - Praga precisará rever sua estratégia de captação de turistas e, oxalá, dará um passo rumo à sobriedade

A opção pela sustentabilidade - Vinícola Don Giovanni aposta no plantio biodinâmico de videiras para dar perenidade aos negócios

Bento Gonçalves anuncia projeto para fomentar turismo de incentivo - Capital Nacional do Vinho lança guia de atividades para empresas que desejam bonificar funcionários com viagens

Casa das Bolachinhas, a anticonfeitaria onde o vinho tem vez - Concebido por Biba Retamozo, o local abrigará uma cozinha profissional

Centenas de motivos para comemorar 2015 - A Egali Intercâmbio projeta alcançar R$ 100 milhões de faturamento

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: