O caso do polêmico abaixo-assinado

O advogado Leo Iolovitch conta uma inusitada crônica forense

Por Leo Iolovitch*/Espaço Vital

Assinatura de contrato
O doutor Apolônio era o típico advogado de bairro,  também chamado “porta de cadeia”, com clientela  humilde e tratando os dramas humanos com sua  experiência de vida e a malandragem que acumulou  ao longo dela. Numa tarde, ele irrompeu indignado na delegacia,  acompanhado de um cliente, para protestar que a  boate dele havia sido fechada. Perorava dizendo  que fora uma injustiça.

O delegado, que conhecia bastante o advogado e  também a tal espelunca, mostrou um abaixo-assinado dos vizinhos, que pedia que fechassem o local  diante do barulho e perturbação da ordem. O doutor Apolônio olhou o papel, mostrou ao  cliente e teatralizando atirou na mesa do  policial, dizendo que não poderia ser verdade,  reiterando o pedido de reabertura do inferninho. O delegado assumindo uma postura de neutralidade  disse a eles:

– Aqui há 25 assinaturas pedindo para fechar o  local; se for verdade o que o senhor diz, então me  tragam uma lista com o dobro de assinaturas, que  eu libero e mando abrir.

Para surpresa da autoridade, o advogado respondeu:
–Pode deixar, vou trazer.

No outro dia chegou à delegacia uma lista com 51  assinaturas, dizendo que nada tinham em desabono  em relação a tal espelunca, que não os perturbava.O delegado mandou o comissário conferir se as  assinaturas eram verdadeiras e de vizinhos. O  agente voltou e, para surpresa geral, confirmou  que tudo era verídico.
Então o doutor Apolônio foi chamado. O delegado  disse a ele:

– Eu prometi reabrir com um abaixo assinado maior,  recebi esse aí que achei que era frio, mandei ver  e é quente, mas só vou liberar o local se tu me  explicares o que está acontecendo...

O velho advogado, sorrindo, disse à autoridade  policial:

- Vou contar para o senhor que é meu amigo. O dono  da boate é um antigo cliente, que vive me devendo  e eu estava precisando de dinheiro... Então eu fiz  a primeira lista... aquela era a fria.

*Leo Iolovitch é advogado.

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: