Produção agropecuária soma R$ 481 bilhões no ano

Como em levantamentos anteriores, região Sul lidera com 29% do total

Por Agência Brasil

Produção agropecuária soma R$ 481 bi no ano

O valor bruto da produção (VBP) agropecuária de 2015 somou, de janeiro a setembro deste ano, R$ 481,4 bilhões, com aumento de 1,3% em relação a igual período do ano passado, descontada a inflação. Como em levantamentos anteriores, a Região Sul lidera, com VBP de R$ 139,9 bilhões (29% do total); seguida pelo Centro-Oeste, com R$ 130,3 bilhões (27%); Sudeste, com R$ 121 bilhões (25,1%); Nordeste, com R$ 47,6 bilhões; e Norte, com R$ 28,4 bilhões. Em ordem decrescente, Mato Grosso, São Paulo, Paraná e Minas Gerais foram os estados que mais produziram no campo.

De acordo com nota divulgada na quinta-feira (15) pela Secretaria de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, a produção agrícola contribuiu com R$ 309, 2 bilhões (+0,8%) e a pecuária, com R$ 172,2 bilhões (+2,2%). O VBP deste ano é o maior da série iniciada em 1989, destaca o coordenador-geral de Estudos e Análises da SPA, José Gasques.

Segundo Gasques, as culturas com melhores resultados são: cebola (+183,6%), pimenta-do-reino (+64,1%), soja (+4,9%), milho (+4,2%), trigo (+1,1%) e algodão (também 1,1%). Na pecuária, os melhores resultados foram para carne bovina (+7,8%), carne suína (+3,2%) e ovos (+1,3%).Entre os produtos agrícolas com redução do VBP em 2015, destacam-se maçã (-20,8%), uva (-19,5%), tomate (-12,9%), mandioca (-7,7%), amendoim (-5,7%) e laranja (-5,3%). Na pecuária, frango e leite também tiveram queda de faturamento até setembro: de -7,3% e 0,2%, respectivamente.

Nota técnica da Secretaria de Política Agrícola destaca que a presente safra agrícola tem sido marcada por preços mais baixos do que no ano passado, na maioria dos produtos. Nos casos de soja e milho, por exemplo, o aumento de produção compensou a queda de preços, resultando em ganhos no VBP.

leia também

A China rural não existe mais - A mudança do modelo de crescimento econômico continuará elevando as demandas do país mais populoso do mundo

A transformação digital da agricultura - Tecnologia pode melhorar rendimento de produtores

A vida de uma organização exemplar - Como a Coamo virou um modelo de cooperativismo a ser seguido

Alimentando o mundo em desenvolvimento - Uma nova Revolução Verde dará conta da demanda?

Atuação em rede que produz melhores resultados - Para Luiz Vicente Suzin, presidente da Ocesc, a intercooperação dá independência ao sistema cooperativista

Coamo atinge faturamento de R$ 11,4 bilhões em 2016 - As sobras destinadas aos cooperados totalizam R$ 338,2 milhões

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: