Brasil ainda não está "suficientemente barato”

Avaliação é do banco norte-americano Morgan Stanley

Por Infomoney

Unidade do banco norte-americano Morgan Stanley

A queda de mais de 20% do Ibovespa do começo de maio até o pregão de quarta-feira (23) ainda não foi suficiente para deixar o Morgan Stanley confortável para comprar ações no Brasil. O banco norte-americano segue underweight (exposição abaixo da média) para o país. Em relatório recente, a equipe de análise, chefiada por Guilherme Paiva, comenta que a BM&FBovespa ainda não está suficientemente barata, embora o mercado esteja se aproximando de um ponto em que os investidores deverão começar a gerenciar sua baixa exposição a ações do grupo ligado ao ciclo doméstico.

Por enquanto, no entanto, eles argumentam que a única razão para comprar algo na BM&FBovespa seria se fosse carregar a posição até a eleição presidencial de 2018, o que guiará novamente as ações. No momento atual, os analistas apontam que os papéis ainda não estão "suficientemente baratos". Para eles, essa visão ainda underweight tem três razões bem simples:

1) os papéis não estão "suficientemente baratos" e a perspectiva é de crescimento negativo dos lucros em dólar em 2015 e 2016, voltando a recuperar apenas em 2017;

2) uma mudança de 180 graus do governo atual e implementação de uma política fiscal muito mais apertada parece pouco provável;

3) um novo governo implementar uma política fiscal muito apertada também parece muito difícil de ocorrer.

Na carteira para Brasil, atualmente, os analistas mantêm como suas top picks apenas as ações da Ambev (ABEV3), BRF (BRFS3), CCR (CCRO3) e Embraer (EMBR3).


leia também

Dilma diz que sofreu segundo golpe de Estado na vida - Ex-presidente afirmou que recorrerá contra o que chamou de “fraude”

A China fez o que o mercado queria - Corte de juros era algo esperado, mas ainda não é suficiente para ajudar na recuperação econômica, afirmam especialistas

A estabilidade do funcionalismo público é mesmo necessária? - O tema é particularmente importante no contexto de ajuste fiscal, avalia Zeina Latif

A punição virá das gôndolas? - A tentativa de boicote às marcas do Grupo J&F

A responsabilidade do Congresso - O cuidado com os recursos públicos e o respeito à restrição orçamentária deveriam ser valores da casa, opina Zeina Latif

A superfície e as profundezas da economia - Retomada poderá ser difícil dada a situação financeira empresarial

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: