Polonesa Synthos desiste de projeto bilionário no Sul

Incertezas em relação ao contrato de fornecimento de nafta da Petrobras à Braskem pesaram na decisão

Da Redação

redacao@amanha.com.br

Polonesa Synthos desiste de projeto bilionário no Rio Grande do Sul

A polonesa Synthos cancelou um investimento de US$ 250 milhões (aproximadamente R$ 990 milhões) para construir uma fábrica no Rio Grande do Sul, diante das incertezas em relação ao contrato de fornecimento de nafta da Petrobras à Braskem, revela o jornal Valor Econômico nesta segunda-feira (21). De acordo com a publicação, a crise econômica, que afetou a indústria automobilística nacional, agravou o quadro e pesou na decisão.

A companhia, uma das maiores produtoras de borracha sintética da Europa, já havia indicado publicamente que poderia abandonar o projeto por causa da demora nas negociações. No fim de junho, acabou rescindindo o acordo inicial firmado com a Braskem diante do estouro do orçamento original e do "não cumprimento de pré-condições". A petroquímica seria fornecedora de insumos à Synthos. Com o cancelamento do projeto, que entraria em operação em 2017, o Rio Grande do Sul deixará de arrecadar R$ 50 milhões por ano em ICMS. No final da noite desta segunda o procurador da empresa no Brasil, Maurênio Stortti, afirmou que a Synthos não desistiu do empreendimento.

leia também

Ação da Braskem segue quebrando recordes - Alta do dólar e queda dos preços do petróleo beneficiam empresa

Ações da Braskem seguem em queda por Lava Jato - Os papéis desvalorizaram mais de 5% nesta quinta-feira

Ações da Petrobras fecham abaixo de R$ 5 pela primeira vez em 13 anos - O Ibovespa encerrou o dia no menor nível desde março de 2009, no auge da crise do crédito imobiliário nos EUA

Acordo de leniência da Braskem avança - No ano passado, a petroquímica iniciou investigações internas

As empresas que perderam mais de R$ 1 bi na bolsa - Klabin, Braskem e Weg estão na lista da Economatica, com base em junho

Aumento de combustíveis "é só um paliativo" - Para Flávio Conde, decisão não resolve o problema da Petrobras

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: