Como ficam os investimentos após o corte de rating?

Para especialistas, os títulos de renda fixa sofrerão no curto prazo

Por Infomoney

Saiba onde investir após o corte de rating do Brasil

A agência de classificação de risco Standard & Poor's cortou o rating do Brasil de BBB- para BB+, com perspectiva negativa. Com isso, o Brasil perdeu o grau de investimento e entrou na categoria "junk" da S&P. O reflexo nos ativos financeiros foi instantâneo. Em Nova Iorque, os ADRs (American Depositary Receipts) da Petrobras marcavam queda de 5,5% no after hours da NYSE, por exemplo. Para o educador financeiro André Massaro, os investidores devem ter muita cautela e evitar a todo custo a tentativa de aproveitar algum possível "fundo" dos papéis. "O fato de os preços estarem caindo não significa uma oportunidade. Pode estar barato pois realmente está ruim. Não enxergo oportunidade na Bolsa ainda. Inclusive, vejo todos os argumentos para ficar fora do mercado acionário agora", alerta.

Renda fixa
Massaro afirma que os títulos de renda fixa também devem refletir a perda de grau de investimento no curto prazo. “Vai chacoalhar o preço [dos títulos públicos] nos próximos dias. O governo deu um respiro no aumento da taxa de juros [na última reunião, o Copom decidiu manter a Selic em 14,25%, após sete altas consecutivas]. Agora pode ser que o Comitê volte a aumentar os juros na próxima reunião”, destaca. Portanto, a expectativa é que os prefixados paguem uma taxa maior nos próximos dias, fazendo com que os títulos que já estão no mercado percam valor.

A explicação é que sem o grau de investimento o investidor internacional exige um prêmio mais alto para investir no país. É a velha relação risco/retorno, conhecida de qualquer investidor: quanto maior as chances de não pagamento da dívida, maior o retorno exigido para alguém colocar seu capital ali. “Aumenta-se os juros para aumentar a atratividade”, diz Massaro. André Albo, planejador financeiro da Alta Vista Investimentos, concorda e afirma que os investidores devem priorizar aplicações pós-fixadas atreladas ao CDI (Certificado de Depósito Interbancário), que não sofrem com volatilidade no curto prazo. "Os juros devem ficar altos por algum tempo", acredita ele.

Risco de calote em títulos públicos
Apesar dos juros precisarem subir para atrair aplicadores, o risco de calote do Brasil é muito baixo e o pequeno investidor do Tesouro Direto não precisa se angustiar. "Não se preocupem com o Tesouro Direto, nem com o risco de crédito da renda fixa em geral. Em um país como o nosso, onde a emissão de moeda é feita pelo próprio governo, não tem motivo para ter medo de calote da dívida", destaca Massaro. Albo tem a mesma opinião. "O calote de títulos públicos não deve afligir o pequeno investidor. A dívida externa é pequena em relação à dívida interna em reais. O governo tem condições de continuar se refinanciando. A diferença é que agora vai pagar um juro mais alto. Vejo o risco de default muito próximo de zero", pontua ele.

leia também

Dilma diz que sofreu segundo golpe de Estado na vida - Ex-presidente afirmou que recorrerá contra o que chamou de “fraude”

A Cetip é a ação de dividendos mais indicada para compra - Cinco corretoras recomendam o papel da empresa do setor financeiro

A China fez o que o mercado queria - Corte de juros era algo esperado, mas ainda não é suficiente para ajudar na recuperação econômica, afirmam especialistas

A estabilidade do funcionalismo público é mesmo necessária? - O tema é particularmente importante no contexto de ajuste fiscal, avalia Zeina Latif

A punição virá das gôndolas? - A tentativa de boicote às marcas do Grupo J&F

A responsabilidade do Congresso - O cuidado com os recursos públicos e o respeito à restrição orçamentária deveriam ser valores da casa, opina Zeina Latif

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: