Economia: a convergência entre Krugman e Trump

O Nobel afirmou que o candidato republicano tem propostas positivas

Da Redação, com Infomoney

Pré-candidato republicano à presidência dos Estados Unidos, Donald Trump

O Nobel de Economia Paul Krugman não gosta nem um pouco do pré-candidato republicano à presidência dos Estados Unidos, Donald Trump (foto). Em entrevista para a Bloomberg TV, Krugman não economizou críticas ao empresário, chamando-o de beligerante e racista, por exemplo. "É exatamente o tipo de pessoa que forma parte da base republicana e com a qual ela se identifica", afirmou o economista.

Porém, há um ponto de convergência entre Krugman e Trump, de acordo com o próprio Nobel em artigo escrito recentemente para o jornal norte-americano New York Times. Em sua coluna intitulada "Trump está certo sobre economia", Krugman afirma que o empresário está quebrando com a ortodoxia republicana.  No artigo, Krugman sublinha que o também pré-candidato republicano Jeb Bush passou a atacar Trump não pelo racismo ou xenofobia, mas por ser um "falso conservador", em meio à intenção de Trump se mostrar disposto a aumentar impostos sobre os ricos e dizer coisas boas sobre o sistema universal de saúde (para o qual os EUA estão caminhando através do Obamacare). O Nobel recorda que os republicanos alertam há anos de que estas duas questões ameaçam a economia norte-americana, mas que acabaram desmentidas por uma realidade de crescimento forte e desemprego em queda.

Krugman reitera, mencionando ainda o último concorrente à Casa Branca pelo partido republicano Mit Romney, que Jeb Bush ataca Trump "pelo que ele está certo". Assim, ele se desvia das ideias do Partido Republicano que estão "totalmente equivocadas". "Essa é uma verdadeira revelação que pode ter um impacto duradouro sobre a nossa política", avalia Krugman. Porém, ele reitera que não endossa a candidatura do empresário, repetindo que Trump é o "fanfarrão ignorante que ele parece ser".


leia também

A briga dos EUA com a China beneficiará o Brasil? - Os dois países têm estratégias claras e mercados consumidores imensos

A saída dos EUA da TPP pode ser vantajosa para a China - Decisão de Trump abre caminho para o gigante asiático dominar as maiores rotas comerciais do mundo

As propostas de Hillary e Trump para a economia - O Brasil não é prioridade nas relações internacionais dos candidatos

Bolsa fecha em queda e dólar tem maior alta em oito anos - Vitória de Donald Trump ainda gera incertezas no mercado

Dois discursos em Yad Vashem - Que visão de mundo pode ter um homem como Trump?

Dólar fecha em alta e Bolsa em queda por causa de Trump - Os mercados deverão reagir com instabilidade nos próximos dias

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: