Não são apenas serifas. É o DNA!

Se tem uma empresa que sabe tudo de identidade corporativa, ela se chama Google

Por Lígia Fascioni

Novo logotipo do Google

Semana passada o Google atualizou seu logotipo e foi o que bastou para o festival de “gostei”, “não gostei”, “perdeu a graça” e por aí vai. A mudança mais visível foi a extinção das serifas (aquelas “perninhas" no final do traço das letras), causadora do maior incômodo e críticas. 

E aí? Melhorou ou piorou?

Bem, já afirmei e reafirmei aqui muitas vezes: a marca gráfica deve traduzir a essência da empresa, seu DNA. E em vez de fazer uma análise subjetiva baseada em gosto, vamos pensar do ponto de vista da tradução dessa essência.

Qual é o atributo mais marcante do Google? A acessibilidade. A empresa preza por facilitar a obtenção da informação ao maior número possível de pessoas; trabalha incansavelmente para mapear, organizar, classificar e permitir a leitura e aquisição de textos, números, fotos, imagens e dados diversos. Todas as empresas do grupo trabalham na mesma linha; tanto que há várias start-ups financiadas pelo conglomerado que têm por objetivo disseminar sinais de internet usando uma constelação própria de satélites (veja mais aqui). 

E onde entra o logotipo nessa história?

O trabalho de redesenho da marca, simplificando-a por meio da redução do número de equações matemáticas que descrevem as curvas e retas do desenho, combinado com a otimização no código que descreve a imagem, diminuiu o tamanho do arquivo em 45 vezes! Um belíssimo trabalho integrado de designers e programadores em prol da maximização dos recursos.

Isso quer dizer que cada vez que o site do Google for acessado (e são milhões, talvez bilhões de vezes por dia), a quantidade de informação que precisa ser transferida só para desenhar o logo na tela do seu computador, tablet ou telefone, vai ser reduzida em 45 vezes! 

É mais sustentável, mais inteligente, mais econômico e muito mais coerente com a identidade. 

É claro que há também a componente emocional e a empresa sabe bem disso. Assim, as cores foram mantidas (só que sem efeitos de sombra, que ocupam menos espaço) de maneira a conservar a ideia de bom-humor, informalidade, proximidade e também acessibilidade.

Se tem uma empresa que sabe tudo de identidade corporativa, ela se chama Google.




leia também

Como o Big Data ajudou o Google a gerenciar pessoas - É possível melhorar o desempenho das equipes, ensina Brian Welle

Como o Pokémon Go levou a realidade aumentada para o mercado tradicional - O jogo que virou febre mundial também criou uma nova plataforma de marketing capaz de gerar lucros

O mito do caos eficiente anda fazendo escola por aí - Para José Martins, há muita distorção no significado dessa filosofia

O que aprender com a nova marca do Google - Será que os logotipos são realmente importantes?

O valor da informação - Se consultados, gestores sempre pediriam mais dados e análises antes de tomar decisões

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Samir

Não sei se devemos parabenizar o Google pela nova marca (finalmente) mais "leve", ou criticar por usar até hoje aquela tipografia serifada totalmente desconexa com a realidade da empresa e suas soluções. Tardou, mas não falhou!

Comentar

Adicione um comentário: