A marca que redefiniu a função do vidro

Conheça a Vidroforte, case do livro “100 Marcas do Rio Grande”

Sede da Vidroforte, em Caxias do Sul

Vidros já foram um símbolo de elegância e arte – uma forma delicada de lidar com a decoração e a luz. Vidros também já foram sinônimo de perigo – afinal, quem nunca ouviu, na infância, o alerta de pais ou avós, preocupados com a possibilidade: “Cuidado com o vidro, menino, ele pode quebrar e tu vais te machucar”? Pelas mãos da Vidroforte, porém, os vidros são muito mais do que isso. São diferenciais de segurança e elegância; são novas possibilidades de aplicação; são, acima de tudo, uma porta aberta para a inovação e a ousadia.

Fundada em Caxias do Sul pelos irmãos Herberto, Eduardo e Carlos Heinen, em março de 1989, a Vidroforte demorou pouco mais de duas décadas para se firmar como a grande marca gaúcha em beneficiamento de vidros especiais. Seus produtos são utilizados em mais de 20 países com aplicações nos segmentos automotivo (montadoras e reposição), de construção civil (temperados, laminados e insulados), especiais (trens, metrôs, embarcações e máquinas agrícolas), antivandalismo e segurança, além da linha de eletrodomésticos e moveleira. Os vidros da “marca do elefantinho” – uma alusão simpática ao logo da Vidroforte – podem ser encontrados nos lugares mais inesperados: em guarda-copos, tampas de fogão, fornos elétricos, boxes de banheiro e degraus de escadas – passando por para-brisas de automóveis, ônibus e caminhões. A variedade de produtos é extensa, mas traz em si um valor essencial: a segurança absoluta do usuário. Vem daí, aliás, o nome Vidroforte: de vidros que protegem em vez de ameaçar; que fortalecem em vez de fragilizar; que inovam em vez de limitar o espaço e a criatividade.

Um dos grandes feitos da marca pode ser visto, hoje, nas dependências da suntuosa Arena do Grêmio, na zona norte de Porto Alegre – o primeiro estádio brasileiro 100% alinhado aos padrões exigidos pela Fifa, a entidade maior do futebol. O material produzido na Serra gaúcha foi utilizado em diferentes partes do projeto. Inclusive nas divisões que separam as torcidas rivais – até então, esse tipo de isolamento era feito  somente com gradis de aço e tapumes.

Além da segurança, a inovação é outra preocupação constante da Vidroforte. Um exemplo é o projeto de vidros de proteção solar, desenvolvido para a indústria da construção civil em parceria com a Cebrace, uma joint-venture que reúne os principais grupos produtores de vidros planos do mundo – a Saint-Gobain (França) e a NSG (Japão). O produto tem a capacidade de filtrar os raios ultravioletas (UV) e, com isso, diminuir em até 30% a temperatura ambiente no interior dos imóveis residenciais e comerciais. 

Evolução do negócio
Como era de se esperar, o logotipo da Vidroforte reflete a preocupação com a segurança – valor representado pela simpática figura do elefantinho, um símbolo de robustez e força. No começo, ele aparecia em cima de um vidro – uma forma ilustrativa de enfatizar a resistência do produto da Vidroforte. Com o tempo, a imagem evoluiu, passando a incluir uma elipse em volta do elefante, o que remete à ideia de um crescimento infinito. Não é para menos: hoje, a Vidroforte é referência nacional em expansão no mercado e a elipse indica justamente essa convicção de que não há limites para a evolução do negócio.

A cor verde das letras no logotipo ilustra outro valor fundamental da Vidroforte: a sustentabilidade. Tudo na empresa – das linhas de fabricação ao produto final – é pensado para atenuar o impacto sobre o meio ambiente e abrir caminho para um crescimento saudável dos negócios. Os principais resíduos das fábricas de Caxias do Sul e de Três Cachoeiras são reaproveitados em outras operações, como a fabricação de garrafas. E todo o material utilizado no processo de produção da Vidroforte, como papel ou caixas de madeira, é igualmente destinado à reciclagem – o que reforça a preocupação com a preservação do meio ambiente. Outro cuidado essencial é o reaproveitamento da água da chuva no processo produtivo, como nos sanitários das fábricas e na irrigação.

Liderança na região Sul
Quando a Vidroforte iniciou suas atividades, no final da década de 1980, ainda não havia fornos para a fabricação de vidros temperados na região sul do país. Na época, a empresa buscava o material em indústrias de São Paulo para depois instalá-lo no Rio Grande do Sul. O processo evoluiu em 1994, quando a companhia abriu sua primeira unidade industrial. A planta pioneira da Vidroforte foi inaugurada no bairro São José, no coração industrial de Caxias do Sul. Originalmente, a fábrica se destinava ao beneficiamento de vidros para a construção civil e produtos eletroeletrônicos. Devido à exigência de expansão e diversificação de mercado, porém, a área construída da unidade foi duplicada, passando para mais de 5,2 mil metros quadrados.

A atualização tecnológica com a consequente necessidade de instalação de novos equipamentos, somada ao surgimento de novos nichos de mercado, levou a Vidroforte a construir uma segunda unidade fabril em Caxias do Sul, em 2000. Desta vez, localizada às margens da RS-122, com 19,8 mil metros quadrados de área construída. E com uma especialidade rara: o beneficiamento ambientalmente sustentável de vidros especiais.

O crescimento da empresa, que conta hoje com cerca de 600 colaboradores, motivou a construção de uma terceira fábrica, com área de 17 mil metros quadrados. Localizada em Três Cachoeiras, no Litoral Norte do Rio Grande do Sul, a nova unidade recebeu um investimento vultoso, de R$ 20 milhões – um valor alto, condizente com o seu potencial de crescimento e retorno. Inicialmente, o empreendimento deu origem a 80 novos postos de trabalho com um incremento na economia local estimado em R$ 5 milhões/mês, quando a fábrica estiver em pleno funcionamento. Mas as perspectivas são ainda mais otimistas. Com a nova planta, a Vidroforte almeja se tornar líder no fornecimento de vidros para a construção civil no Rio Grande do Sul e também Santa Catarina.

Para chegar lá, a empresa aposta alto em processos altamente eficientes. Não só dentro das fábricas, mas também fora delas. Na parte de logística, a Vidroforte conta com quatro Centros de Distribuição localizados em São Paulo, Minas Gerais, Paraná e Goiás. Também abrange uma vasta rede de representantes comerciais espalhados por todo o país. Além disso, os principais clientes recebem visitas mensais dos representantes da empresa para que possam ser cada vez mais bem atendidos. Por outro lado, a participação em feiras e eventos internacionais realizados em centros de referência para o setor, como Milão ou Hannover, permite à Vidroforte manter uma atualização tecnológica constante de seu parque industrial.

Aliás, um dos fatores que fazem da Vidroforte uma empresa de vanguarda é justamente a opção por se manter em dia com tecnologias de ponta. Os vidros da marca vêm de modernos fornos de têmpera horizontais, robôs, mesas de corte para chapa jumbo e outros equipamentos que reforçam seus ideais de qualidade e segurança. Sem se acomodar, a empresa ainda traz um laboratório onde efetua sistematicamente testes de resistência e fragmentação para assegurar a qualidade final de seus produtos. Por tudo isso, a Vidroforte se orgulha de trabalhar com transparência e segurança, virtudes que ajudaram a redefinir a presença do vidro no dia a dia.



leia também

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: