Eleitores gaúchos são contra o aumento do ICMS

Pesquisa da Fiergs também aponta que medida aumenta o desemprego

Da Redação

redacao@amanha.com.br

Heitor Müller, presidente da Fiergs

A maioria dos eleitores gaúchos (91,7%) é contra a aprovação do aumento do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) pelos deputados estaduais, conforme revelou a pesquisa de opinião encomendada pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs). Os entrevistados afirmaram que a elevação da alíquota não resolverá a crise financeira do Estado (73,2%) e ampliará o desemprego (88,3%).

“O aumento do imposto não é uma questão empresarial. O cidadão tem plena consciência do impacto negativo sobre toda a economia. Essa percepção ficou clara pela grandeza dos números da pesquisa, quando a posição contrária à elevação do ICMS se aproxima de 100%”, afirmou o presidente da Fiergs, Heitor José Müller (foto), em nota.

A pesquisa procurou medir o nível de conhecimento da população em relação à proposta do governo enviada ao legislativo. Conforme o resultado, os impactos da elevação do ICMS para solucionar os problemas financeiros do Estado são de conhecimento de 73,5% dos gaúchos. De acordo com os entrevistados, a medida não estimulará o crescimento da economia estadual (75,5%). Pelo contrário, diminuirá a atividade econômica (73,8%), provocará a perda de competitividade das empresas (75,6%) e o avanço da inflação (86%). A pesquisa ocorreu de 28 de agosto a 1º de setembro e ouviu 1 mil pessoas. A margem de erro da amostragem é de 3,1 pontos percentuais para mais ou para menos.



leia também

A responsabilidade da gestão é ainda maior na saúde - Para Pizzato, da Unimed POA, zika é reflexo de falta de planejamento

A superação de crise das empresas requer uma equipe - Para Telmo Schoeler, o grupo deve elaborar plano de ações corretivas

A vez da inteligência na cadeia de suprimentos - A rentabilidade pode até aumentar – mesmo em tempos de crise

Arrecadação de impostos cai 7,3% no primeiro semestre - Em junho, a soma chegou a R$ 98 bi, o pior resultado para o mês desde 2010

Arrecadação de impostos tem queda de 8,2% em setembro - Receita recolheu R$ 94,7 bilhões em contribuições

Arrecadação de impostos tem queda real de 11,53% - É o pior resultado para fevereiro desde 2010

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: