Dólar: para o alto e avante

José Faria Júnior, diretor de câmbio da Wagner Investimentos, aposta em uma cotação de R$ 3,85

Por Infomoney

Alta do dólar frente ao real

A onda de pânico gerada pela China não passou e seus efeitos, embora sejam sentidos ao redor do mundo, faz pressão especialmente nos países emergentes. O desconforto com o ambiente econômico, aliado ao peso da política interna, levou o dólar a disparar nos últimos dias. "O mercado está ficando muito perigoso e cada vez mais esticado em meio ao pânico da China, temor do Federal Reserve subir juros ou mesmo vir com discurso duro em setembro e a dramática situação política", comenta José Faria Júnior, diretor de câmbio da Wagner Investimentos.

Para ele, agora o caminho do câmbio é para o alto, o que deve levar a divisa norte-americana para uma cotação próxima de R$ 3,85. "As chances de uma volta para a região de R$ 3,40, na minha opinião, estão afastadas no momento", aposta. A justificativa é simples: o real segue o caminho de outros moedas ligadas a commodities (como o dólar australiano e o canadense) – todas no menor patamar contra a moeda norte-americana neste ano. Mas há um peso a mais contra o real dado que o Credit Default Swaps [uma espécie de seguro contra calote brasileiro, projetado para cinco anos] está em 350 pontos, índice que já precifica um corte do rating brasileiro.  

No campo interno ainda há uma dramática situação política, pontua. "Tememos a renúncia de Joaquim Levy (ministro da Fazenda) e até mesmo novas eleições, enfim, dois cenários críticos", desabafa. Olhando para fora, a situação segue alarmante. O índice Vix, também conhecido como índice do medo, ainda segue extremamente alto, mais de 200% acima da média do ano. "Acreditamos que o mercado vai demorar um tempo para cicatrizar essas feridas. Torço para que o pior já tenha passado", diz.    


leia também

A China atenuará o pânico em torno de sua economia? - Preocupação é se o país manterá crescimento abaixo de dois dígitos

A China fez o que o mercado queria - Corte de juros era algo esperado, mas ainda não é suficiente para ajudar na recuperação econômica, afirmam especialistas

Após "segunda-feira negra", dólar fecha em R$ 3,60 - Alta no déficit externo eleva chance de corte de rating do Brasil

Banco Central chinês injeta US$ 20 bilhões na economia - É a maior quantidade de recursos aportados desde setembro de 2015

Bolsa chinesa desaba e negociações são suspensas - BC desvalorizou taxa de câmbio em torno da qual o Yuan flutua

Bolsas da Ásia fecham no vermelho mais uma vez - Para mostrar liquidez, China injetou 400 bi de yuans no sistema financeiro

comentarios


Seja o primeiro a comentar a notícia!



Comentar

Adicione um comentário: