Ranking

Lorem ipsum dolor sit amet consectetur adiscpicing elit, sed do eusimound

Metodologia

Lorem ipsum dolor sit amet consectetur adiscpicing elit, sed do eusimound

Galeria de Fotos

Lorem ipsum dolor sit amet consectetur adiscpicing elit, sed do eusimound

Como é feito o ranking 500 MAIORES DO SUL

Conheça o método que AMANHÃ e PwC aplicam para preparar o ranking que apresenta as maiores e mais eficientes companhias da região

Foco no balanço

Todas as informações trazidas pelo ranking das 500 MAIORES DO SUL são extraídas dos balanços financeiros das empresas listadas e publicados em jornal ou fornecidas por meios oficiais da empresa. São examinadas tanto demonstrações contábeis de grupos quanto de empresas individuais.

Regionalização

500 MAIORES DO SUL é um ranking empresarial que tem foco na região Sul. O critério de classificação é um indicador exclusivo conhecido como Valor Ponderado de Grandeza (ver a seção “Entenda os Números”, a seguir).

Comparabilidade

Nos rankings estaduais, quatro indicadores comparam o desempenho das empresas e sua classificação entre 2016 e 2017. São eles: Valor Ponderado de Grandeza (VPG), Receita Líquida, Patrimônio Líquido e Lucro ou Prejuízo. Para isso, foram utilizados os dados comparativos dos dois últimos exercícios constantes nos balanços de 2017, divulgados em 2018.

Fórmulas e índices

As tabelas de 500 MAIORES DO SUL resultam da aplicação de fórmulas. Alguns esclarecimentos e ressalvas:

Rentabilidade sobre a receita – Índice que compara o resultado da empresa em relação a sua principal atividade operacional.

Crescimento da receita – Índice que demonstra a evolução da receita líquida comparado ao ano anterior.

Receita diferida – Quando a empresa possui receita diferida no passivo, o valor é desconsiderado dos cálculos para não distorcer os índices. Não controladores – A participação dos não controladores é considerada no total do Patrimônio Líquido. Para determinar o Lucro Líquido, considera-se o resultado antes da participação dos não controladores. O objetivo é apontar o patrimônio e o resultado que reflitam melhor o desempenho do grupo como um todo.

Holdings – O ranking das 500 MAIORES DO SUL não inclui empresas holdings cujo resultado esteja baseado fundamentalmente em receita/despesa de equivalência patrimonial e investimentos. Admite-se, como exceção, a inclusão no ranking de uma holding desde que ela seja a única representante de um grupo ou conglomerado de empresas.

Critérios setoriais

As tabelas de 500 MAIORES DO SUL trazem empresas de variados setores, que utilizam dados diferenciados em seus balanços. Para a classificação, foram adotados os seguintes critérios comparativos:

Bancos – Considera-se Receita Líquida o total da receita de intermediação financeira do período em análise.

Seguradoras – Considera-se Receita Líquida o total de prêmios ganhos no período em análise.

Cooperativas – Na determinação do Lucro Líquido, não se consideram as destinações legais e estatutárias.

Fundações/Previdência – O ativo circulante é obtido pela soma dos ativos disponível e realizável. Já o passivo circulante corresponde ao passivo operacional. O passivo exigível em longo prazo considera o passivo contingencial. Por sua vez, o Patrimônio Líquido é dado pela soma dos saldos de reservas matemáticas, resultado acumulado e fundos. A Receita Bruta considera apenas as receitas do programa previdencial. O Lucro/Prejuízo Líquido é igual ao resultado do exercício do programa previdencial.

ENTENDA OS NÚMEROS

AMANHÃ e PwC avaliam diversos indicadores de desempenho financeiro das empresas que figuram em 500 MAIORES DO SUL. Saiba quais são eles

VALOR PONDERADO DE GRANDEZA (VPG)

Resultado da soma, com pesos específicos, de três componentes do balanço patrimonial e demonstrações de resultados: Patrimônio Líquido (peso de 50%), Receita Líquida (40%) e resultado – Lucro ou Prejuízo Líquido (10%).

PATRIMÔNIO LÍQUIDO

Formado pelos recursos pertencentes aos acionistas ou sócios. Composto por capital social, ajuste de avaliação patrimonial, reservas de lucros, reservas de capital, reservas de reavaliação e prejuízos acumulados (quando for aplicável).

RECEITA LÍQUIDA

Receita Bruta menos os abatimentos, devoluções e tributos.

ENDIVIDAMENTO GERAL

Revela a participação de recursos de terceiros no ativo total da companhia. Acima de 100%, significa que a empresa tem dívidas em valor maior do que a soma do seu ativo total.

CRESCIMENTO DA RECEITA

Compara a Receita Líquida dos dois últimos exercícios fiscais, indicando o quanto as vendas cresceram (ou decresceram) de um ano para o outro.

LIQUIDEZ CORRENTE

Indica a relação entre o ativo circulante e o passivo circulante. Reflete a capacidade da empresa de cumprir suas obrigações de curto prazo. Quanto maior o índice, maior a liquidez da companhia. Um índice baixo expressa menor capacidade da companhia de cumprir suas obrigações. O índice de equilíbrio é igual a 1.

CAPITAL DE GIRO

Parcela do Patrimônio Líquido destinada a financiar o giro do negócio. Equivale ao Patrimônio Líquido menos o valor do ativo permanente.

LUCRO LÍQUIDO

Resultado final da companhia, depois de deduzidos custos, despesas, o imposto de renda e a contribuição social.

RENTABILIDADE SOBRE A RECEITA LÍQUIDA

Relação entre Lucro (ou Prejuízo) Líquido e a Receita Líquida das operações de uma companhia. Esse indicador mostra o quanto a empresa lucra (ou perde) com sua atividade principal.

RENTABILIDADE DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO

Mostra quanto a companhia lucrou em relação ao total de recursos próprios aplicados pelos acionistas. Esse indicador procura expressar a relação entre Lucro ou Prejuízo Líquido e o “patrimônio médio” – ou seja, valores do Patrimônio Líquido no início e no final do exercício fiscal.

Elaboração técnica do ranking

Direção: Carlos Peres e Rafael Biedermann

Coordenação: Bianca Oliveira e Zíngara Brasil

Assistência: Daniel Kops, Eluize Di Domenico, Julia Silva, Luana Quadros,

Rafael Geliski e Rodrigo Lorenzoni

Pesquisa e prospecção de balanços: Italo Bertão Filho