De olho em São Paulo

claudio-luiz-zaffari-diretor-grupo-zaffariGrupo Zaffari define São Paulo como prioridade para alavancar crescimento da rede fora do Rio Grande do Sul

No que depender dos planos do Zaffari, ou Zafári, como dizem os paulistanos, o Estado de São Paulo deve ganhar peso na receita do grupo nos próximos anos. “Já tínhamos uma relação histórica com fornecedores paulistas que abasteciam as lojas do Sul. A unidade inaugurada em 2008 trouxe bons resultados. Naturalmente, mais unidades trazem eficiência e sinergia ao negócio. No entanto, não sei precisar quantas [poderemos abrir] nos próximos anos”, antecipa Claudio Luiz Zaffari, diretor do grupo. Na visão de Zaffari, São Paulo ainda conta com regiões carentes de oferta de centro de compras, o que pode impulsionar o crescimento da rede no Estado. Já está impulsionando, aliás. No final de julho, o grupo inaugurou o hipermercado Zaffari Morumbi Town. A segunda unidade na capital paulista recebeu um aporte de R$ 35 milhões.

Além de São Paulo, a rede definiu o Rio Grande do Sul, berço do grupo, como foco exclusivo de futuros investimentos. Nos últimos 12 meses, o Zaffari já abriu duas novas unidades em Porto Alegre, além de outra em Caxias do Sul. Também está em desenvolvimento uma loja na zona sul da capital gaúcha, que deve ser inaugurada até dezembro. Canoas, na região metropolitana de Porto Alegre, também deve receber a bandeira em 2017.

Ainda que a recessão tenha abocanhado uma fatia da renda do brasileiro, a perspectiva para as redes de supermercado não é das piores. As vendas do setor aumentaram 0,8% até agosto, na comparação com o mesmo período do ano passado, de acordo com o Índice Nacional de Vendas da Associação Brasileira de Supermercados (Abras). O aproveitamento mostra estabilidade e aumenta a perspectiva de se atingir um resultado positivo no ano – ainda que pequeno –, contrariando estimativas iniciais da entidade que apontavam um recuo de 1,8%. A reversão de expectativa é ainda maior na rede gaúcha. De acordo com Zaffari, as vendas em mesmas lojas tiveram um crescimento nominal de 6,5% no primeiro semestre, índice até mesmo acima do IPCA no período (4,9%). Se confirmada, a projeção poderá aumentar a receita líquida do Zaffari, que, em 2015, alcançou R$ 4,3 bilhões, de acordo com o ranking 500 MAIORES DO SUL.

Claudio Zaffari vê apenas uma saída para manter as vendas e assegurar alguma rentabilidade em um momento de margens de lucro comprimidas: eficiência. “A busca de parcerias pode ser a melhor fórmula para conseguirmos transferir ao consumidor o melhor preço dos produtos que ofertamos”, ensina Zaffari.